segunda-feira, 30 de outubro de 2017

O FUTEBOL DA NOSSA TERRA - Campeonato distrital de 1ª divisão da AF Viana do Castelo - Resultados da 8ª jornada e classificação geral.



AF Viana do Castelo
8ª jornada
Estádio Freguesia de Lanheses, Viana do Castelo
Bom tempo
2017.10.29
 ´


                      - SC VIANENSE OUSADO BATE UD LANHESES INTIMIDADO

                      - CORRELHÃ E LIMIANOS, UM RECEBE O OUTRO DÁ

                      - COM NEVES EM CASA, CERVEIRA SOB AO TOPO  DO TELHADO

                      - CHAFÉ TOMOU BOA CONTA DO CAMPOS E OBTEVE LUCRO

                      TÁVORA MARCOU TRÊS PELA 1ª VEZ.
                        - 


          UD LANHESES, 2 - SC Vianense, 3
                                         (ao intervalo: 0-1)

 UD LANHESES alinhou com: Vasco, Cruzeiro, Thomás, Faizão, Dani, Guti, aos 71' Diogo Castro, Kitos, na 2ª parte Carrilho, Polido, Gorito, Peixe (C) e Gil
Treinador: Pedro Lomba



SC Vianense alinhou com: Víctor, Diogo, Duarte, Leandro, Brás, Fábio Sequeira, Salé, Helder, Israel (C) e Lucas; no decorrer do jogo houve três substituições no SCV
Treinador: José Pequeno



Árbitro: Márcio Torres



GOLOS. 0-1 aos 39' por Lucas aproveitando a falta de marcação e com tempo para rematar colocado sem chance de defesa; 1-1 aos 48' por POLIDO na sequência de desvio da bola que seguia para canto, a emendar a trajetória junto ao poste: 1-3 de novo por Lucas, recuperando a bola na posse do guarda redes Vasco quando este se preparava para a repor em jogo, controlando à vontade e enviando-a para a baliza desguarnecida. 2-3 aos 83' por Peixe a rematar dentro da área por entre a defesa contrária.



COMENTÁRIO. 

             Pelo que dos resultados obtidos até esta altura e respetivas posições que as duas equipas ocupavam na tabela se poderia inferir, não se esperaria um SC Vianense tão organizado e confiante nem um UD Lanheses bem menos seguro das suas capacidades atuais, incapaz de se organizar ao nível das exigências do adversário e de impor a habitual forma encarar as dificuldades, não obstante o empenho posto no jogo pelos atletas para o conseguir.

            Os visitantes entraram muito determinados na partida conseguindo neutralizar a maior parte das tentativas dos locais para romper a consolidada estrutura defensiva que exerciam logo à entrada do seu meio campo, donde partiam em jogadas rápidas até à baliza dos locais envolvendo vários elementos e sem enfeites de rodriguinhos no encaminhamento da bola. Daí a dificuldade do defesa dos locais em travar os ataques a boa distância da área e os sobressaltos por que passava para afastar a bola da zona de remate, tapar os caminhos do golo e de retomá-la para servir o ataque. De destacar a enérgica, para não dizer agressividade no limite da falta, que os jogadores da equipa da sede do concelho adoptaram na recuperação do esférico, a que os locais apenas conseguiram equiparar-se no segundo período da partida. A lesão de Kitos que o obrigou a ficar no balneário depois do intervalo, privou o UD Lanheses do ponta de lança influente no ataque, que Carrilho que o substituiu não logrou preencher.


           A partida não período complementar decorreu mais equilibrada por força de melhoria da equipa comandada por Pedro Lomba. O empate conseguido aos primeiros minutos do reinício, deu grande alento aos rapazes do UD Lanheses, mas a desvantagem do  segundo golo e a forma como foi obtido dois minutos após o empate não poderia ter sido pior para encetar a recuperação. Contudo, os locais não deram o jogo como fechado e continuaram em busca da reviravolta das operações. Os vianenses, porém, não baixaram a guarda mantendo o sentido da partida, e aproveitando a "desgraça" do lance de que resultou o terceiro golo, chamaram à equipa esse nojento jogador de nome "anti-jogo" que faz do jogo da bola uma farsa, uma traição ao espetáculo, como um "penetra" que se infiltra num evento sem convite para comer e beber sem custo.




          O SC Vianense venceu com mérito porque superou o UD Lanheses em jogo jogado e em golos, e nem a realidade da partida que justifica a vitória nem a responsabilidade e o prestígio de uma agremiação com tão provecta idade assentam bem nas atitudes de pontuais figurantes que a representam.

         Para um árbitro que milita nos nacionais, ouvi dizer, a arbitragem foi deplorável no decorrer da partida e miserável nos derradeiros dez do tempo de jogos e nos sete (justos) minutos de compensação; porque um árbitro que apita muito, muito erra e as notas que usa são graves para os aldeões e suaves para citadinos...(ricos e pobres na realidade da vida). Se o concerto foi para a bancada, "safou-se".

         Houve duas suspensões da partida, uma em cada parte, para hidratação dos intervenientes no jogo. Na segundo, quem dominava a partida era a equipa da casa, por acaso...

         Muito público nas bancadas em grande parte de apoiantes dos visitantes.

Remígio Costa




JORNADA 8
Classificação

                           IMAGENS DO JOGO










 


Fotos: doLethes
Remígio Costa

 

sábado, 28 de outubro de 2017

O FUTEBOL DA NOSSA TERRA - CARTAZ FIM DE SEMANA 28/29 DE OUTUBRO


AF Viana do Castelo
Campeonato distrital de 1ª divisão
8ª jornada
2017.10.29
                                                      JORNADA 8



               A minha percentagem de acerto nos prognósticos que tendo vindo a fazer é, indiscutivelmente, muito regular, isto é, "não acerto um" ou quase. Se prognostico uma surpresa ela acontece...noutro jogo em que previ pudesse acontecer dentro de noemalidade, e tudo acabou no desfecho que todos (menos eu) esperavam. Quando tento ser Nhaga e "vejo" uma goleada do clube visitado, é o visitante que luta para não cair à água e empurra para a piscina o presumido melhor nadador. Desta é que vai ser, prevejo eu! O Távora vai vencer, por ser duro de roer, mas, apesar de ser por poucos, volta a perder apenas para me contradizer. E se for o Piães, que eu afirmava que na época anterior jogava mais do que conseguia nesta e virei a prognosticar comportamento para descer, vem o Cerveira comandante, e o tratante daquele "duas caras" sr. Vitorino perdeu lhe o respeito e deu-lhe duas no focinho, e coitadinho, apenas lhe retribuiu com um beijinho.

          Bem, se pensam que sou de desistir, desenganem-se, porque vou persistir quanto mais não seja para fazer rir, enganando-me, sem querer por isso andar a carpir mágoas. E o que penso faço, mas cuidado não tenho jeito para palhaço, estou mais virado para dar aos que até aqui chegaram, um apertado e amigo abraço. Capiche?

                  Ponte da Barca - Monção          1
            Cerveira           - Neves              1
            Valenciano - Courense              1
            Correlhã .- Limianos                  x
            Távora - Moreira do Lima          x
            UD LANHESES - SC VIANENSE   1 (7-0!)
            AD Chafé - Campos                    2
            Vila Franca - Vitorino de Piães  2

  Remígio Costa                        
    
                                            

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

"DURIUS" FOI, DOURO É.



   À velocidade média de 18 km hora, a viagem pelo rio Douro em barco de turismo entre Peso da Régua e o Pinhão, demora cerca de 02H30; a operação da transposição do desnível do rio na eclusa em Bagaúste, a quatro quilómetros de distância da partida, termina em vinte minutos, aproximadamente. Mas ninguém se impacienta ou reclama da demora, nem cansa quem, a 27 metros de altura na balaustrada da barragem, e no parque da estrada nacional 222 -o melhor traçado do mundo para a condução automóvel- (ver vídeo do youtube abaixo inserido), paralela ao rio na margem esquerda, assiste e aplaude a facilidade da operação, tão simples quanto o são as ideias geniais que facilitam o trabalho do Homem.


   A fama de um rio Durius que os invasores romanos lhe atribuíram por força da rebeldia em se deixar domar, os duros homens portugueses dos típicos barcos rabelos converteram em D'ouro, transmutado em vinho fino, suco das uvas das cepas alinhadas nos socalcos dos montes íngremes que marginam o seu leito, num paraíso terrestre sonhado que os olhos retêm e levam ao coração pelas veias invisíveis da emoção. Nos ondeantes relevos montanhosos entre a Régua e o Pinhão, a videira é vinho e pão, alimento do corpo, e a harmonia e espetacularidade do cenário natural o conforto do espírito e o gosto pela vida terrena.


   Na antiga Vila a reclamar para si o privilégio de "capital do vinho" duriense, o Pinhão orgulha-se de possuir a estação de comboios mais original do nosso país, ostentando em todas as suas fachadas uma singular coleção de vinte e quatro painéis datados de 1937, compostos por 3047 azulejos provenientes da cerâmica "Aleluia", de Aveiro, onde se retratam quadros relativos à atividade vinícula da região demarcada do Douro, a primeira de que há registo no mundo determinada por Marquês de Pombal, os costumes, as pessoas e o rio, bem como a topografia e geografia da paisagem onde ele passa. Uma jóia de arte e história na acolhedora, tranquila e saudável Vila banhada pela margem direita do Douro antigo.



      O rio Douro é hoje um roteiro turístico de topo, procurado tanto interna como externamente. Barcos, de tamanhos variados, circulam acima e abaixo a toda a hora, em rota de cruzeiros com lotação esgotada, todos os dias da semana, entre o Porto e o Pocinho, Régua ao Pinhão, a par de outras embarcações particulares de pesca desportiva ou turismo privado ou para acesso às quintas famosas do vinho de marca, estas sempre identificadas em bem visíveis cartazes.  Na margem direita, rente às montanhas e bordejando a água, passa a linha férrea; na esquerda, entre a Régua e o Pinhão, não há no mundo via para melhor conduzir do que a estrada nacional 222/Douro.

      O Norte é belo, Portugal é país apetecível, de todo.

                  

                         VISTAS DO DOURO ENTRE PESO DA RÉGUA E O PINHÃO



























                        (Estrada nacional 222/Douro - Vídeo Youtube)


Fotos: doLethes
Remígio Costa