terça-feira, 31 de março de 2015

VERDES SÃO OS PRADOS E O PARQUE DE LANHESES, TAMBÉM.

         


               Deram-lhe o nome de Verde porque é esta a cor que nele predomina: nas copas das árvores em formação, amieiros, pinheiros mansos, salgueiros, oliveiras, cedros, plátanos,  carvalhos, portugueses e mesmo americanos, nos espaços amplos que o formam, nas veigas que marginam o rio Lima. E cheira a verde, verde da relva fresca cortada rente, agora. E está limpo, muito limpinho, muito fresco, fresquinho. Convida a rebolar é só começar...

          FALO DO PARQUE VERDE, EM LANHESES.


             Faz agora sol e deve continuar. Há sempre alguém por ali porque o local é bom para estar. Há barcos nos rio, para cima e para baixo, lampreias haverá, por certo. Há ainda um mês mais com "r", e o povo garante que a qualidade mantêm-se idêntica às primeiras da época, se pescadas nos meses com aquela letra. Será. São anos de tradição que o atestam, o saber da experiência feito, conta.




           E há melros pretos de bico amarelo. E gaios, avoilas, pintassilgos, piscos, cegonhas, gaivotas, corvos marinhos, garças reais e outros mais. Há peixes, para pescar à linha.




           E SARDÕES! Verdes, claro e simpáticos (Não os incomode que eles retribuem da mesma maneira).

        E tranquilidade.

        E ar puro.
        
         E paga zero. (Por enquanto...)


                           
                                         VERDES SÃO OS CAMPOS - Zeca Afonso



Fotos: doLethes
Remígio Costa

         
   
          

         

domingo, 29 de março de 2015

AMORES E FLORES

               

                    flores e amores.

Versos, para serem lindos
devem falar de flores;
sugerem beijos infindos,
são fonte de doces amores.

Dão sentido à primavera
levam noivas ao altar,
e com elas se esmera
um ramo para ofertar.

Em beleza se igualam
no estilo e policromia
e do perfume que exalam
a alma nos enibria.

Tão belas e femininas
flores semelham mulheres,
delicadas clementinas
vistosas como nenúferes.

Ridente é o tempo das flores,
a sua ausência é melancolia,
saudade de vividos amores
da juventude já esmorecida .

 
 


Fotos: doLethes
Remígio Costa
 
 
 




 

 
 
 
 


 

 



 

CERIMÓNIA DO DOMINGO DE RAMOS NA IGREJA PAROQUIAL DE LANHESES (Viana do Castelo)

            
                            No interior da Capela do Senhor do Cruzeiro e das Necessidades
 
Cumpriram-se hoje, dia 29 de Março, na Igreja paroquial da freguesia de Lanheses (Viana do Castelo) as cerimónias próprias do Domingo de Ramos, seguindo o ritual dos anos anteriores que tem início na Capela do Senhor do Cruzeiro e das Necessidades com a benção da palma e ratificação da designação de novo Mordomo e termina com a Missa própria da Paixão e Morte de Cristo.


                    Padre Daniel Rodrigues na benção do ramo do novo Mordomo da Cruz
        

             À cerimónia presidiu o pároco residente desta Paróquia de Santa Eulália e S. Paio, de Meixedo, pároco Daniel da Silva Rodrigues, o qual, na Capela Rocaille que possui uma das fachadas  mais figurativas religiosas do nosso país reiterou a assunção de Manuel Rodrigues Baptista e esposa Maria Alice do Vale Sousa, do Lugar de Feira, como família Mordomo da Cruz para o ano de 2016, seguindo depois em cortejo para a Igreja onde seria celebrada a Missa Solene própria deste dia da Semana Santa.


                            Cortejo a caminho da Igreja Paroquial.
         

            O ato litúrgico foi muito participado encontrando-se a nave e depois do arco granítico da Capela Mor literalmente lotados, para o que terá concorrido a significativa afluência de emigrantes que vêm passar em famíla a época pascal na terra-mãe. O Grupo Paroquial Jovem local teve a seu cargo o acompanhamento musical da liturgia com o agrado que os identifica.


 Alice Vale e Manuel Baptista, família Mordomo da Cruz para 2016.

Fotos: doLethes
Remígio Costa

sábado, 28 de março de 2015

ARRANCAR PARA A HORA DE VERÃO SEM ACELERADOR NEM TRAVÃO.

1- MANTER-SE ACORDADO.

2 -  AO BATER A PRIMEIRA DA MANHÃ ...


                          3 - ...AVANCE,  LOGO,  P'RA SEGUNDA E...

volte e para a cama, que é domingo, 29 de Março e eu preciso das cenouras para alimentar o coelho esfomeado.


fotos: doLethes
Remígio Costa

ESPELHO MEU, ESPELHO MEU, HÁ RIO MAIS LINDO DO QUE EU?

             
                   RIO LIMA EM IMAGENS










fotos: doLethes

Remígio Costa

sexta-feira, 27 de março de 2015

OFICINA DE COSTURA À MÃO | INATEL VIANA | PÓS - LABORAL





FIM DE SEMANA GASTRONÓMICO DE VIANA DO CASTELO | 27, 28 E 29 DE MARÇO 2015


FIM DE SEMANA GASTRONÓMICO DE VIANA DO CASTELO
27, 28 E 29 DE MARÇO 2015

Restauração aderente – Oferta de Sobremesa (Torta de Viana), desde o jantar de sexta-feira (27 de março) ao almoço de domingo (29 de março).
Esta campanha mantém-se nos fins de semana de 20 de março a 6 de abril, no âmbito do programa Páscoa Doce.

Empreendimentos Turísticos aderentes – 15% de desconto nas noites de sexta-feira (27 de março) e sábado (28 de março), aos clientes que efetuem reserva no âmbito dos Fim-de-semana Gastronómico. 


Mais informações em:



Gala de Ópera "Opera per Tutti" | 1 de Abril 2015 | 21h30 | Teatro Municipal Sá de Miranda (Viana do Castelo)






Bilhetes à venda no Teatro Municipal Sá de Miranda
Tel.: 258 809 382 | email: tmsm@cm-viana-castelo.pt
Preço: 5 €


quinta-feira, 26 de março de 2015

OBITUÁRIO

              
                                          1947 - 2015
           

             MARIA JOSÉ PEREIRA DE SÁ SOARES, viúva, de 68 anos de idade, com residência no lugar do Outeiro, desta freguesia, faleceu segunda-feira, dia 22 de Março, vítimada por incêndio ocorrido na sua habitação.

             O funeral vai realizar-se hoje, quinta feira dia 26, prevendo-se a chegada do corpo à Igreja Paroquial desta freguesia onde serão celebradas as exéquias religiosas, pelas 10:00 horas, findas as quais irá a sepultar no cemitério desta localidade.

            Aos membros da família da extinta apresento em nome pessoal e da minha família, sentidas condolências.

            

terça-feira, 24 de março de 2015

CONTINUA A FLORIR O CENTENÁRIO RODODENDRO DO JARDIM DA CASA DO PAÇO, EM LANHESES, VIANA DO CASTELO.

         

      Já teve um braço que ultrapassava o muro que florescia com bastante abundância. Foi aparado e, agora, as flores apareceram num ramo do lado contrário que chega ao chão. No tronco que se prolonga na vertical, há ramos pequenos com folhas verdes, podendo significar que não tem vontade de morrer ainda.


                 Não se lhe conhece a idade verdadeira mas é planta (ou arbusto) para ter de vida bem mais do que um século de existência, o velho rododendro (ou o que dele resta), que faz parte do Jardim da Casa do Paço (TH), dos Condes d'Almada, em Lanheses. Apesar da decrepitude do tronco de que apenas um braço emerge e teima em criar folhas e flores, esta planta da espécie Rhododendron e família das ericácias, segundo a avaliação dos dados consultados, é um exemplo perfeito da lapidar frase "as árvores morrem de pé", que serviu de título a uma famosa peça de teatro interpretada pela atriz Dona Palmira Bastos.

                                 Flores e folhas: beleza que emana de um corpo antigo

          Cadáver vivo e em pé, é o que se poderá glosar de um carcomido e descascado tronco corroído, quase fantasmagórico como um esqueleto de animal dissecado sobre a areia quente de um deserto, uma contradição com a vida e o verde saudável das outras plantas que fazem o ambiente onde é parte. Não obstante, corre ainda nele a seiva que lhe garante manter a existência criadora, teimosamente, heroicamente, dar folhas e flores lindas e prometer que  continuará a germinar ramos que lhe hão-de garantir mais anos de vida, sabe-se lá até quando.

                   Sinais que enganam porque a vida renasce nos rebentos do tronco principal




          
Fotos: doLethes
Remígio Costa
             

EDIFÍCIO VILA ROSA, em VIANA DO CASTELO

                Tendo sido sujeito a obras de requalificação e de restauro, a Câmara Municipal de Viana do Castelo vai proceder à reabertura do edifício Vila Rosa, na Avenida Rocha Páris, no âmbito das comemorações do Dia Nacional dos Centros Históricos. 

           O emblemático edifício foi concebido pelo vianense José Fernandes Martins (1866-1945) segundo a corrente modernista do princípio do séc. XX. Foi, há dias, obejto de visita de estudo dos alunos da Academia Sénior do IPVC., no âmbito da disciplina da História da Arte ministrada pelo dr. Antunes de Abreu.

          A cerimónia com a presença do presidente da Câmara Municipal de Viana do castelo, José Maria Costa, está marcada para as 11:00 horas do próximo sábado dia 28 de Março.

       

IDOSA MORRE EM INCÊNDIO DA CASA ONDE MORAVA.

           

 
                    Uma viúva conhecida por Zeza  (filha de Amândio de Sá, já falecido) morreu ontem no incêndio da casa onde morava sozinha no Lugar do Outeiro, junto à capela de São Frutuoso. O fogo terá começado cerca das 18 horas e foi o vizinho Luís Agra Gomes que regressava a casa do trabalho, deu conta da saída de fumo pela parte interior do edifício e que, não conseguindo entrar na linha 112, contatou de imediato a GNR local, tendo esta convocado os bombeiros municipais fazendo de imediato deslocar uma patrulha para junto da casa em chamas.


          O incêndio propagou-se rapidamente a toda a habitação com muita violência e os bombeiros vindos de Viana do Castelo, tendo comparecido com a prontidão possível limitaram a sua ação á extinção das chamas, o que conseguiram ao fim de algum tempo. Quando se tornou possível o acesso ao interior depararam com o corpo calcinado da proprietária. 



        Tratando-se de uma casa intercalada entre habitações e construída por materiais facilmente combustíveis, o sinistro poderia ter atingido proporções de maior dimensão se se estendesse às casas vizinhas o que não viria a acontecer, não obstante a ansiedade e natural pânico que terá gerado nos seus respetivos moradores.


        As causas do incêndio estão por esclarecer passando porém a versão dos que conheciam os hábitos da senhora sexagenária de que terá sido causada pela chama de vela que ela usava acender.

        A habitação ficou praticamente destruída não havendo memória de um incêndio com estas proporções ter acontecido nesta freguesia.



FOTOS: doLETHES 
Remígio Costa             

segunda-feira, 23 de março de 2015

OBITUÁRIO


                        

                                                                      1924 - 2015
                       
                   GARCIA CASTRO DO VALE, de 91 anos de idade, viúvo, com residência habitual no Lugar de Santo Antão, em Lanheses, faleceu hoje segunda feira, 23 de Março, de morte natural.

                   O funeral vai realizar-se amanhã, terça feira dia 24, pelas 17 horas, saindo o corpo em cortejo fúnebre da capela mortuária de Nossa Senhora da Esperança desta localidade onde se encontra exposto em câmara ardente para a Igreja Paroquial onde decorrerão as exéquias religiosas findas as quais irá a sepultar no cemitério de Lanheses.

                              À família enlutada apresento as minhas condolências pessoais e da minha família.













domingo, 22 de março de 2015