quarta-feira, 31 de julho de 2013

ELEIÇÕES PARA A JUNTA DE FREGUESIA - 2013

               


 FILIPE ROCHA, que integra o actual executivo divulgou, hoje, através de mailling,  que irá ser candidato pelo PSD nas próximas eleições autárquicas ao lugar de  presidente da Junta de Freguesia de Lanheses.

CASAMENTO NA BELA ALSÁCIA (Partilha de fotos)

              Recuperei algumas fotos obtidas através de telemóvel com o registo de pormenores da boda ocorrida algures na Alsácia (que em não poucos pormenores faz lembrar o nosso Alto-Minho) , que não pude obter através da máquina fotográfica por se ter esgotado a indispensável bateria. Apesar da falta de qualidade que elas possuem, optei pela partilha de momentos significativos do casamento do Arnaud Rémy e  Emilie, completando na medida do possível a reportagem deste acontecimento tão relevante para a família a que pertenço.

            Ao dar por concluída a divulgação desta minha breve passagem pela Alsácia quero acrescentar ao que escrevi no post anterior que esta bela zona situada a leste de França e a segunda mais rica desta nação, possui uma história invulgar de luta pela posse do território que ocupa com a vizinha Alemanha, com algumas alternâncias na sua administração, do que resultou uma simbiose entre culturas ainda muito vivas na actualidade.

           Como curiosidade registe-se que a Alsácia tem como símbolo a CEGONHA.
            






































A SAÚDE ESTÁ PRIMEIRO. CHEGA-TE À FRENTE.










Foto de capa

terça-feira, 30 de julho de 2013

ALSÁCIA DAS MIL FLORES, DOCES SABORES E BELOS AMORES.

     

            Retenho da Alsácia (de uma reduzida dimensão do seu espaço geográfico) a imagem de um tela colorida de muitas cores, horizontes longos de ondas de verde e de ouro do trigo maduro, do bucolismo das manadas dispersas nas herdades férteis, dos espelhos das águas das represas de rega, das estradas em carrocel negras e lisas, das vilas pequenas onde o antigo persiste em resistir ao novo e, flores, flores nos canteiros das bermas dos caminhos e ruas, nas vasos à entrada das portas ou suspensos das janelas de maisons ou casebres, nos parapeitos de pontes ou sacadas, nos postes de iluminação ou antigos bebedouros, nos campos ou na cidade.

    É a região mais linda (e mais rica...) da França, dizem-me.






    Mas, este território de história atribulada recheada de episódios bélicos ao longo de séculos tem outros atributos de grande valia que o tornam uma das regiões mais importantes de França. A agricultura é praticada em grande escala, altamente mecanizada e, pelo que é visível, extremamente diversificada.


  

Visita aos pais da Xaninha.



         Nas digressões que tive oportunidade de efectuar não acedi à região demarcada dos vinhos. Todavia, a crer nas descrições de quem bem conhece aquela zona, incluindo os naturais, o cenário dos vinhedos a perder de vista e toda a paisagem onde se desenvolvem é uma raridade impressionante de extrema beleza.


   Da conjugação de tão raros quanto inspiradores atributos não surpreende aos forasteiros a exuberância e qualidade dos produtos que ali se lhes oferecem. Variados e doces sabores, aromas agradáveis ao olfato e ao paladar, propiciadores de um ambiente de amizade, partilha e convivência social e familiar.

   Algures numa petit village (mais vila que aldeia comparativamente à realidade portuguesa) da região alsaciana, um numeroso grupo de portugueses contribuiu para que, durante alguns dias, tivesse sido quebrada a pacatez habitual do aglomerado a que pertence a família de raiz lanhesense há muito ali radicada. Isso não significa, porém, que a nossa presença tivesse tido qualquer interferência na rotina da vida da população francesa, a qual, aparentemente nem terá dado conta da chegada de estranhos.


    O que aos alsacianos da vila não passou indiferente foi a aglomeração de portugueses e franceses junto à Merie, ao princípio da tarde do dia 20 deste mês, onde foi oficializado o casamento civil dos cidadãos franceses Emilie e Arnaud, a noiva de sangue francês e italiano, o noivo com raízes paternas em Lanheses e maternas de alsaciana genuína.


    Na Igreja aparentemente desproporcionada para a realidade actual do meio onde se ergue há alguns séculos, os noivos fizeram o juramento católico de fidelidade e amor eternos, e a missa rezada em francês, com a Margarida a quebrar a regra ao fazer uma leitura em português,  teve uma plateia porventura ali nunca vista.




   Dali até à aprazível e fresca quintinha do Michel e Gisele, um casal íntimo dos pais do noivo, extremamente simpáticos e imensamente prestáveis, a comitiva dos convidados nem teve necessidade de recorrer a transporte. Lá chegados e espalhados pelo amplo espaço relvado sob a sombra das árvores ou das tendas de lona branca levantadas para o efeito, o ambiente caloroso proporcionava as aproximações e os contactos pessoais entre os convivas, sendo o obstáculo da língua coisa irrelevante.




  Ao cair da tarde, mudou o cenário mas não a animação. Em dois autocarros e nos automóveis próprios para quem não iria precisar de precaver-se dos rigores da lei impostos na condução, no regresso, a boda prosseguiu até aos alvores da madrugada do dia seguinte, entremeada de animação musical e a degustação da cuidada ementa escolhida.



  Apesar do seu teor familiar e, quiçá,  interesse privado, o que mais me moveu a redigir estas linhas foi a divulgação de um episódio em que os protagonistas são emigrantes de Lanheses que construíram a sua prosperidade com trabalho, honestidade e competência numa terra que lhes deu oportunidade de ser alguém na vida, e que, apesar do sucesso alcançado, nunca deixaram secar as raízes donde nasceram. Não sendo, felizmente, caso único, é um exemplo de vida paradigmático de muitos portugueses espalhados pelo mundo.



                                  O CASAMENTO NA MERIE






                        Os pais do noivo e a sobrinha Xana

                     Messieur le Maire e a sua secretária

                                Arnaud Remi e Emilie

                            A avó do noivo.

                          O ramo.

               Pais da noiva e avó do noivo.



                          A madrinha Margarida.

                            À saída do Hotel de Ville.







 NA IGREJA:





.


 Saída da Igreja finda a cerimónia religiosa.



Primeira foto de família.

Impossível não reparar...



    Retemperando da sede e do calor.
                  


               Vai tudo à água!

                  

                           Frescura


 O "ninho" concebido e edificado, inteiramente,  pelo noivo e pelo pai, com tecnologia de ponta no interior. É verdade!


             


                           O amigo Michel
                            e a esposa Giselle. Fantásticos!


Genuíno da região da Alsácia. Sabores frutados e leve com uma pena.
                A Lua, ali tão próxima.

 Língua não é obstáculo para primas se entenderem.

 Dulce farniente. Reparem como as flores são lindas!



              Noite das pisas.
                        

                                          O FORNO

 STRASBOURG










 Parlamento europeu. (Não me atrevo a escrever o "outro" nome por que é conhecido...)
 "O mundo é uma bola que rebola e a cada volta que dá muda as facies das coisas"

Podem tocar o hino, a bandeira está içada.




 Que sempre se renovem as mil flores, os doces sabores e os belos amores da belíssima e apaixonante Alsácia. 


NOTA DO AUTOR: ter que escolher fotos entre dezenas delas para reduzir o tamanho do post não foi fácil.
Peço desculpa se não vi as que melhor reflectissem o que pretendi mostrar.

MOMENTO DA NOITE NO SALÃO DA BODA.