quinta-feira, 5 de julho de 2012

A FONTE DA CORREDOURA (CRELO)


 A fonte de pedra com formato arredondado que veio do Largo Capitão Gaspar de Castro mal se distingue por entre o emaranhado de fetos e plantas.


                   Há algum tempo que não passava no caminho que sai da Corredoura e desce em direcção às Valas, que muitas vezes percorri na infância com os meus amigos para ir na época de Verão tomar banho no regato da Silvareira mas, também, porque era ali que se situava a fonte onde o lugar se abastecia de água para consumo doméstico. Era, então, uma quelha muito estreita entre valados altos e piso em terra barrenta que, nos invernos das chuvas intensas, ficava quase intransitável pela lama que se formava e pelos sulcos abertos por acção das águas que vinham de cima. Actualmente, está mais largo e o piso é em pedra de calçada à antiga portuguesa e tem iluminação vinda das lâmpadas de postes da rede pública .


           A fonte de chafurdo, onde também bebiam os animais, junto à principal.


              Desci a íngreme ladeira no fito de rever a velha fonte sem poder evitar que a evocação dos tempos que por ali andei me parecessem bem mais recentes do que os anos que sobre eles decorreram. Dobrei a última curva que antecede o local e parei, surpreso, por não reconhecer logo o sítio que procurava. Só  muito perto pude distinguir com alguma dificuldade, por entre um tufo de ervas altas e de variadas espécies e alguns arbustos e, por cima do valado, castanheiros a cabeça da pedra redonda do primeiro fontanário do Largo Capitão Gaspar de Castro inaugurado em 1932, que para ali fora transferido para melhorar a fonte da Corredoura (só muito tempo depois me habituei a identificá-la por Fonte do Crelo).

              Quase totalmente coberto, o tanque mal se distingue.

            Com as devidas precauções não fosse enterrar-me até aos joelhos no lodaçal de junco e erva em que o local se transformou, consegui distinguir a "fonte de chafurdo" primitiva, ao lado daquela que a veio substituir, bem como a parte visível do tanque de cimento de lavar roupa e, do lado esquerdo e por cima das duas a entrada, sem porta, da mina que as abastecia.

            A água deixou de ser transportada à cabeça em bilhas ou cântaros de barro em idas e vindas sucessivas até que a mãe desse por terminada a tarefa que dava direito a ir brincar para o Largo das Carvalheiras. Chega, agora, a casa ao simples rodar de uma torneira. A roupa suja vai para a máquina e, a seguir, para o secador e já nem de corar precisa. As pessoas já não necessitam de se juntar para saber as notícias e comentá-las. Fazem-no de telemóvel, ou vão ao doLethes...

            Os tempos mudam. Como as coisas e os costumes.

             Do lado esquerdo está a porta da mina que, aqui, não se nota.

14 comentários:

  1. Já à alguns anos que se fala desta Fonte, não só pela sua importância em termos patrimoniais, mas também pelo o abandono que lhe foi proporcionado.
    Todos se lembram, certamente, à cerca de 15 anos, da PROIDA XXI nas suas sistemáticas publicações mencionar o esquecimento desta fonte... Pois bem, são os mesmos sabedores que neste momento estão á frente da junta de freguesia.
    Entendo que a actual crise não dê para tudo, mas é inconcebível o critério usado para a requalificação do património em Lanheses. Se esta fonte estivesse À face da estrada certamente já estava recuperada.
    Nunca ninguém se perguntou porque a PROIDA XXI desapareceu???
    Seria um bom tema de conversa…

    RO

    ResponderEliminar
  2. Apoiado RO sera um bom assunto para debater aqui..mas tem que agradar ao autor do blog! Ha de facto muito a dizer sobre a PROIDA XXI e a atuacao do junta de Lanheses (E so areia pr'os olhos..) mas..ate logo.

    Paulo Cidade

    ResponderEliminar
  3. Cá estão os do costume...
    Havia tanto para dizer mas... não digo.
    Havia tanto para fazer mas... não faço.

    "É p'ra amanhã
    Bem podias fazer hoje
    Porque amanha sei que voltas a adiar
    E tu bem sabes como o tempo foge
    Mas nada fazes para o agarrar"
    António Variações

    ResponderEliminar
  4. Sao os do costumes que te metem confusao...Acalma-te e bebe muita agua nos iremos a tempo-O tempo da o Deus e a gente faz-se uma na outra!

    Paulo Cidade

    ResponderEliminar
  5. Meu caro cidadão um pouco mais de António Variações

    "É p'rá amanhã
    Bem podias viver hoje
    Porque amanhã quem sabe se vais cá estar
    Ai tú bem sabes como a vida foge
    Mesmo que penses que esta p'ra durar"

    ResponderEliminar
  6. tanta coisa para fazer,
    tanta coisa para mostrar,
    mas enfim não querem saber!
    nem pretendem muito observar
    o lindo largo da corredoura
    mas o do outeiro nada fica atrás.
    o da seara fica a maravilhar
    bem perto do parque verde,
    foi limpo de toda a sujidade
    e o largo da forcada
    acompanhou e sorriu!
    porque o fontanario da feira
    está de sentinela a ver
    e o que mais dizer...
    ficará para apróxima!
    p.quintas

    ResponderEliminar
  7. Nos comentários anteriores denota-se alguma verdade relativamente às intervenções efectuadas pela junta de freguesia no património Lanhesense.

    Se a fonte do Crelo estivesse colocada junto à estrada, ou perto de algum morador, cuja estima política fosse relevante, certamente que para além de estar já restaurada teria perto de si alguma mordoma, um espantalho ou quiçá uma plaquinha.

    Infelizmente estas intervenções (no património) nem sempre são realizadas com a imparcialidade política, acabando por ser altamente prejudicada a expressão cultural da freguesia.

    Mas como em 2013 há eleições certamente que este assunto se irá resolver. Cá estaremos para aplaudir se assim for.

    RO

    ResponderEliminar
  8. ai de mim!.. ai de mim!... estou cred(d)o...
    tanto anos... tanto tempo...
    e só agora se lembram de mim!
    o tempo das vacas goras, já lá vai...
    ...e não se lembraram demim!...
    ai de mim... ai de mim...
    ... só agora de lembram da requalificação...
    ai de mim... ai demim...a cultura sem fim!...
    a.martins

    ResponderEliminar
  9. Ha mais assuntos..para resolver para 2013..fontes, fontinhas e fontenarios..Quando chegar a hora oh sr a.maritins vai-se lembrar do mim mas se nao se lembrar de mim sera melhor para todos assim...Eu estarei so...e so e que estarei bem...eu sozinho chego. Beba agua muita agua ate que chegue a hora! (Como eu gosto disto!) Aproveito para dar um abraco ao Sr. RO, esta a ser fix! Precisamos de mais..."Traz mais um amigo contigo").

    Paulo Cidade

    ResponderEliminar
  10. Então o sr.autor do blog., tantas veses foi á fonte voscar água e não se lembrou da bonita pédra aonde pousava o seu cantarinho.

    G.F.

    ResponderEliminar
  11. E a pédra que servia de apoio aos cantarinhos, que os Proídas XXI tanto reclamavam?
    Será que os atuais responsáveis da Freguesia não se preocupam em saber em que casa está colocada!

    G.F.

    ResponderEliminar
  12. senhor g.f eu eu estou consigo!... quero ver é trabalho! muito trabalho! existe muito! é preciso é muita vontade! estamos todos à espera de ti!...mas tenho de ver....porque não é fácil fazer....falar é fácil...vai ser um prazer......eles devem estar a tremer de medo...ou então temos gente...ufh,ufh,temos gente e da boa....espero é que os lanhesenses concordem todos como o vais fazer!
    a.martins

    ResponderEliminar
  13. Ver trabalho? Mas a onde? so se for Junta, trabalho num pais em que ninguem trabalha vem agora o sr pedir para trabalhar...Trabalhar num pais one se formam drs numa ano, onde todos os dias fecham empresas..vem agora o sr pedir para trabalhar? So se for vender conversa fiada como me parece ser aqui o caso! Num pais em so temos autrizacao para exportar 30% do que produzimos e mais caro que do que nos vem de "fora"..esta o sr mandar trabalhar,agora com tudo abandonado, inclusve os principios que a geracao antecedente se guiou...para cair agora neste pedantismo saloi em que daqui algum tempo terao que morrer "uns" para que outros possam sobreviver, com esta politica the terra queimado...vem me dizer agora temos que trablhar! E o sr que faz? Que produz? Batatas,azeite,millho,centeio, cria animais, sustenta-se Mas si? Ou sera que os alemaes que lhe esta a emprestar o dinheiro para lhe comprar os produtos? Eu estou a fazer os possiveis para nao ofender. Mas, no meu ver nao me venda conversa fiada,por fovor!
    Paulo Cidade

    ResponderEliminar
  14. sr. A. Martins,gente fina não entende de q. lado está o senhor,manda trabalhar, espera muito trabalho,eles estão a tremer, de quem fala?,o senhor é do atual, ou do futuro?, e quem é o futuro?

    G.F:

    ResponderEliminar