segunda-feira, 31 de maio de 2010

A LENDA DA COVA DA ONÇA


DIA MUNDIAL DA CRIANÇA


(Da tradição popular de Lanheses)
           Há muitos, muitos anos anos a nossa terra não era como é hoje; as casas não eram tão lindas como agora são e nelas não havia televisão, nem rádio, nem telemóvel e nem sequer havia livros ou jornais para as pessoas lerem e ficarem a saber mais. Sim, havia já um Magalhães mas, esse, era navegador não era para navegar. As escolas também eram muito poucas e bem distintas das de agora e nem sequer tinham tantas meninas e meninos como agora têm, até os professores eram tão poucos e tão poucos que, vejam só, todos os que existiam tinham trabalho! Mas então como é que as pessoas aprendiam e fizeram chegar até ao nosso tempo tantas coisas tão belas e importantes? Ora, porque falavam uns com os outros; os pais diziam aos filhos o que ouviram dos pais deles, a quem nós chamamos avós, os meninos faziam o mesmo quando chegavam a adultos. Foi, assim, que eu aprendi a lenda (ou história), que vos vou contar conhecida entre nós como Cova da Onça, ou Cova da Serpe (serpente) ficando ao gosto de cada um a escolha, e que os vossos pais ou até vizinhos, com tantos anos que já lhe perderam a conta, poderão confirmar.
          Foi sorte para nós tão raro acontecimento ter ocorrido aqui bem pertinho, ali para os lados da Igreja Paroquial, pela oportunidade de podermos, um dia, lá ir com a maior facilidade para conhecermos o monte onde tudo se passou. Foi aí que, naqueles tempos, começaram a fazer uma mina, a qual não puderam concluir porque, quando já iam a meio, uma voz lá de dentro, gritou:
-         “Fujiiiiii!”. Os mineiros, que não contavam com aquele grito, ficaram muito assustados e, sem olharem para trás, oh! “pernas para que vos quero”, isto é, fugiram como lebres acossadas pelos cães e nunca mais lá voltaram. Pudera, que susto!
      Tão raro evento espalhou-se entre a população que acreditou ali existir um tesouro muito valioso que só aparece na noite de S. João sob o disfarce de uma cobra, tendo na cabeça um barrete vermelho (que também  poderá ser azul até ou amarelo para quem não apreciar muito aquela cor), ou  mesmo de burro quando foge, porque, às vezes, nem sempre se diz o que se ouve e, quem conta um conto acrescenta-lhe um ponto. Certo, certo, é que a moura era uma linda menina que estava encantada por uma fada malvada e estava ali, sabe-se lá há que tempo, à espera de alguém com poder para lhe quebrar o feitiço. Até que um dia apareceu no sítio a uma camponesa que por ali andava com o seu rebanho e disse-lhe:
-         Vai a tua mãe pedir que te faça um bolo para mim, mas não lhe contes nem a ninguém, para quem é. Quando voltares, eu já estarei outra vez em forma de serpe; mas não te assustes, nem digas “Ai, Jesus”, porque eu não te farei mal. Traz uma vara aguilhada, para com ela me picares e fazeres sangue. Se fizeres o que te peço eu ficarei livre deste encantamento e dar-te-ei de presente riqueza sem conta.
-         A rapariga assim prometeu fazer e foi-se embora. Mas não cumpriu, porque não foi capaz de guardar segredo, como a Moura lhe recomendara. E, assim, quando lá voltou  para lhe dar o bolo, ela tinha desaparecido e vai lá continuar a penar por muitos e muitos anos, até que apareça um lindo príncipe que a venha libertar.
-             Desde então, a certeza de que naquele local existe um tesouro é tanta entre a população que houve quem se propusesse fazer uma mina para furar o monte de uma ponta à outra em busca de tanta riqueza.
-         E não há sonhos que se realizam?
-          
(Adaptação) 

domingo, 30 de maio de 2010

VIRADO AO N

           Se alguém admite como possível que este Primeiro-Ministro já não seja mais capaz de nos surpreender, pelos piores motivos, desengane-se. A acrescer ao seu manifesto constrangimento por ter de governar o país numa situação de maioria relativa junta-se, agora, a crise económica que coloca Portugal à beira de um colapso financeiro cujas consequências ninguém se atreve a prever e para a qual parece não ser capaz de fazer mais do que responsabilizar os que menos para ela contribuíram.
            No que à deslocação recente de José Sócrates ao Brasil respeita, não pode ser aceite sem alguma surpresa atendendo a que há muitos poucos dias, Lula da Silva, com ele conferenciou em Lisboa levantam-se, ainda, mais interrogações quanto aos verdadeiros interesses desta viagem ao país irmão quando foi noticiado que, o principal responsável pela embaixada do governo e dos convidados que a constituíam, deixou a meio uma reunião em que participava para se deslocar à residência do músico e cantor Chico Buarque, situada bem longe do local onde ela decorria, para com ele tomar café.
          Mas o mais bizarro da história é ter sido propagado para a imprensa (ao que parece pela staff da comitiva presidencial portuguesa) que o encontro se realizou sob convite do célebre artista brasileiro o qual, pouco colaborante e muito incomodado com o despautério, não perdeu tempo em fazer constar que só recebeu Sócrates por este ter instado (quiçá, acedendo à "cunha" que terá sido "metida" ao seu presidente, pelo interessado) para que o recebesse e lhe concedesse AUTÓGRAFOS para oferecer aos seus familiares!
         Outra vez na Venezuela (ainda está fresca na memória a última deslocação ao país de Chavez), tal como na anterior visita, o Chefe do Governo português, assinou com aquele "inimigo" confesso dos yankes americanos do norte, nove novos acordos para a recíproca transacção de bens económicos e serviços.
         Quem fizer fé apenas nas imagens que nos atiram para olhos nos ecrans das TVs, fica com a ideia de que o antigo eldorado que os nossos antepassados ali julgavam existir, é afinal, uma realidade e que só a arte e engenho de José Sócrates poderiam materializar, no nosso tempo. Mas a verdade é, infelizmente, bem diferente se se souber que dos um milhão de Magalhães, cuja venda foi acordada na anterior visita, somente trezentos e cinquenta mil chegaram, até agora, ao destino e várias outras remessas de bens perecíveis que os confiados empresários contratantes para lá enviaram tiveram que ser mandados de volta por não terem sido levantados em tempo útil e correrem o risco de ficarem fora dos prazos de validade para o consumo público. Também a adjudicação contratada das casas pré-fabricadas não viu levada à prática a sua execução, pelo que nem uma única unidade foi vendida até hoje.
         E, o pior de tudo isto, é que o país parece não dar indícios reais de que o caminho para a saída do pântano em que nos atolámos ainda está longe de ser iniciado.

         
          
         

sábado, 29 de maio de 2010

CEGONHINHAS BEBÉS: HÁ COISA MAIS LINDA?


                     AS CEGONHAS DE LANHESES

            Cegonhas belas
            de bico vermelho.
            De longe vieram
            Para o nosso meio.

                           Fizeram ninho
                           De mil pauzinhos
                           P´ra  mãe cegonha
                           Guardar seus ovinhos

            Três filhotes lindos!
            Meu Deus, que beleza!
            Repiquem sinos
           à mãe Natureza,

                           Pois jamais Lanheses
                           Recebeu prenda assim:
                           Merecem lhaneza
                           E carinho afim.
                          

                           (Fotos (excelentes) gentilmente cedidas pelo seguidor do
blogue MANUEL SOUSA).

                          
           

CAMINHADA DO CORAÇÃO

       A concentração dos participantes...
   A concentração para a caminhada de hoje fez-se na Praça da Liberdade, eram 9H30. No mesmo local, simultaneamente, decorriam os preparativos para as Maratona e Meia Maratona de BTT, de 80 e 40 Km, respectivamente, numa organização conjunta da Câmara Municipal de Viana do Castelo.
...e também dos técnicos.
   E o bacalhau ali tão perto...     

Recebidas as instruções dos profs. Isabel e João Viana, o grupo da caminhada de cerca de quarenta participantes, iniciou o percurso de 7,2 km, eram 9H40. Passando à vista do Gil Eanes contornou o forte de Santiago da Barra até ao Campo da Agonia, pela Avenida do Atlântico acedeu ao Passeio da Praia Norte até ao forte na ponta N, retrocedeu através da veiga da Areosa e retomou parte do percurso da ida, passando a seguir pelo Jardim de Don Fernando e junto ao monumento de Frei Bartolomeu dos Mártires, em S. Domingos para, percorrendo a Rua Manuel Espregueira onde se encontram a Aurora do Lima e a sede do Sport Clube Vianense e muitas lojas do comércio tradicional de Viana do Castelo, acedeu à Avenida dos Combatentes da Grande Guerra e, de novo junto ao monumento da Liberdade, de José Rodrigues, executaram-se os habituais exercícios de relaxamento de que se encarregou o prof. João Viana, tendo decorrido entre a partida e a chegada, 1H30.
Na praia e no campo.


  De azul, à Porto, então!?   
    
         Cumpriu-se, deste modo, a terceira caminhada prevista no programa do projecto VIVER COM SAÚDE. A quarta, realiza-se já no próximo sábado, dia 5 de Junho, pelas 16H00, consagrada ao tema DIA MUNDIAL DO AMBIENTE, com a parceria do projecto "Vencer a Idade com Saúde" e Turma de Lanheses para decorrer na nossa freguesia e, em parte, Vila Mou.

EH, JUVENTUDE!
Grafite "à maneira" p´racabar!

sexta-feira, 28 de maio de 2010

NOVO ACESSO À ZONA EMPRESARIAL


          Está prestes a ficar concluído o novo acesso à Zona Empresarial, construído com a finalidade de facilitar o escoamento das pás dos rotores eólicos ali fabricados pela ENERCON, numa fábrica recentemente ali implantada, cuja laboração implicará na fase inicial a criação de 500 novos postos de trabalho.
         Também a rotunda de acesso àquele parque industrial situada a sul da nova via na estrada 305, sofreu obras de alargamento pelas mesmas razões acima referidas, sendo que, nesta fase, não há indícios de que a sinuosa estrada que serve o acesso à ponte de Lanheses esteja em vias de intervenção de obras de alargamento, que bem se justificariam em função da sua serventia à A27.
       

quinta-feira, 27 de maio de 2010

AS ALMINHAS DE LANHESES (VI)

     
  No início da Rua da Seara,  na primeira casa do lado esquerdo a partir do Largo Capitão Gaspar de Castro (Benemérito), pode ver-se mais uma das alminhas existentes na freguesia ainda que, como outras já aqui divulgadas, não esteja a ser objecto de zelo há já muitas décadas.
          Também a sua traça não possui características que a diferenciem do modelo mais simples destas construções, sendo esculpida no granito no formato habitual rematada em arco redondo. No parapeito exterior estão colocados dois vasos de barro vermelho, sem flores, que mais parecem servir de ornamento do local do que com objectivo de dignificar e preservar o carácter religioso do nicho.
          Entre pessoas de mais idade ali moradoras não soubemos de alguma que ainda se lembrasse de ali ver indícios de ter servido os fins para que foi construída.

quarta-feira, 26 de maio de 2010

CEGONHAS BRANCAS: FILHOTES SÃO TRÊS!


            Está confirmado! O casal de cegonhas brancas que nidificou na chaminé do edifício Santa Eulália, um caso que não há memória ter acontecido por aqui, tem afinal três e não dois filhotes, como era suposto. Já nos últimos dias da semana passada me pareceu ter avistado três cabecitas no ninho mas, não estando seguro de que eram três os "rebentos" não fiz referência ao facto. Agora, acabo de confirmar que são, efectivamente, três as crias existentes

terça-feira, 25 de maio de 2010

O FALCAO DA MEADELA

           

DO AVÔ PARA O LUÍS, EM DIA DE ANIVERSÁRIO.

                       Nasceu em Maio
                       P´ra ser campeão.
                       Vai ser bom de bola,
                        Melhor que o Falcao.
        
                       Chuta p´ra frente 
                        P´ró lado e p´ra trás.
                        Não gosta de "topa"
                        Mas é bom rapaz.
                      

                       Ri mais do que chora
                       Não pára quieto ou calado.
                       Tanto como  bola,
                       Adora gelado.

                       Grande ou pequeno
                       Tanto se lhe dá
                        E, sem problema,
                        Come o dos papás.

                        Guarda estes beijinhos
                        Que aqui mandamos
                        Hoje, são pouquinhos
                        P´ró ano...dobramos.

                        
Avôs Fátima e Remígio
                    

REAL BRUNA

   
    Bruna Real, a mirandelense que venceu as desvantagens da  interioridade à custa da exibição dos seus dotes esculturais, ao posar desnuda e lânguida para a PlayBoy com o sucesso que se viu, terá percebido que de tantos e tão louvados atributos beneficiava ainda menos de que do artístico talento musical no seu mester de "stora" e lançou-se na área empresarial, pondo no mercado a aura de diva que o mundo lhe concedeu.
           Se, inicialmente, algo retraída e pouco à-vontade se entregou gratuitamente às bocas (salvo seja) vorazes da comunicação social, a Bruninha terá caído na real e, as suas palavras e imagens, antes obtidas "à borliú" ou ao preço da uva mijona, que isto no ganho fácil não há deontologia que resista, passam a ser estipuladas de acordo com o justo valor que ela acha que devem ter.
           Doravante, quem pretender ouvir da sua linda boquinha umas palavrinhas, mesmo que seja uma simples referência ao belíssimo presunto transmontano ou se apenas lhe perguntarem se acha que a sua fama já ultrapassou a das apreciadíssimas alheiras de Mirandela, vai ter de pagar! E bem!. Um mínimo de dois mil euros por cada sessão (não é especificado o tempo nem o número e natureza das perguntas) que  poderão atingir valores mais elevados se forem tiradas fotografias (também não se esclarece se com, ou sem, trapinhos).
          É assim mesmo, Bruna! Ensinar a tocar pífaro a putos quase de borla, ainda vá que não vá. Agora por a boca no trombone para deleite de um qualquer sem ver um "tusto" não se ajusta ao realismo do nosso tempo.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

OS VELHOS.


A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa anunciou que vai pagar mais de 622 euros (onde estão incluídos 70 por cento das suas reforma) a famílias que “adoptem” um velho institucionalizado. Desculpem usar a palavra velho, mas idoso é coisa impessoal de burocrata. Um velho é um velho e a vergonha da velhice é uma das coisas que mais idiotas dos nossos tempos. Que tem razões fundas, mas a isso já lá vou.
A ideia da Santa Casa até pode ser generosa e interessante. Imagino que até seja melhor
Mas os velhos sabem da vida coisas extraordinárias. Transportam as nossas memórias. Ou seja, os velhos são tão bons e tão maus como nós todos, mas mais frágeis, com mais vícios e com mais experiência. Gostamos da companhia dos velhos quando não somos deste tempo, que despreza a memória e a experiência; ou quando aquele velho de que gostamos é um pouco de nós. Porque sendo nosso pai, nossa mãe, nosso avô, nossa avó, nosso mestre, nosso qualquer coisa, encontramos nele alguma coisa daquilo que somos.
Uma criança adopta-se porque ela é uma possibilidade de futuro que nos inclui: será nossa filha porque com ela construiremos esse parentesco. Isso não é possível com um velho. Porque o que alimenta a relação com o filho adoptado é o presente e o futuro. Com um velho é o presente e o passado. E, se adoptarmos um velho, o passado em comum não estará lá. E isso faz toda a diferença. Um velho não é uma criança grande. É um adulto e um adulto não se adopta. 622 euros por mês garantem a possibilidade de alimentar um velho. Mas não garantem mais nada. E confesso que me assusta esta ideia de alugar o afecto.
Mas o que me interessa é tentar perceber como chegámos até aqui. Como é possível que os nossos velhos, os nossos pais e as nossas mães, os nossos avôs e as nossas avós, sejam despejados em lares e agora até possam ter de ser adoptados como se a velhice fosse uma infância sem passado? O abandono dos velhos resulta de coisas boas e de coisas más.
A longevidade aumentou e as famílias, que antes ficavam com os seus velhos durante um período curto das suas vidas, não lhes podem dar a mesma atenção quando o seu tempo de vida, frágil e dependente, é muito maior.
A entrada das mulheres no mercado de trabalho mudou a natureza das famílias. As instituições – as creches, as escolas e os lares – ocupam-se das pessoas que antes estavam a cargo das mães e das filhas.
A produtividade é tudo o que conta. A sociedade valoriza os que ainda não produzem mas estão a ser preparados para o fazer, mas não aqueles de quem já nada se espera.
O tempo acelerou e é a capacidade de aprender depressa que torna as pessoas valiosas. A memória e a experiência parecem não valer um chavo.
Acontece que os velhos já são, nas sociedade mais ricas, uma parte muito significativa da população. E se queremos viver com alguma dignidade – nós próprios seremos velhos um dia – temos de mudar algumas coisas nas nossas vidas.
Dando mais tempo a quem trabalha para tratar dos seus. É por isso que não me deixo de espantar com aqueles que dizendo defender “os valores da família” são ao mesmo tempo defensores de regimes laborais agressivos e precários, onde não sobra tempo para mais nada que não seja trabalhar. E garantindo que os velhos que têm alguma autonomia se mantêm activos em funções úteis. Uma delas já é aproveitada por muitas famílias: ajudarem a educar os netos.
Não podemos continuar a enfiar os nossos velhos em depósitos, para que morram devagar longe dos nossos olhos. Mas a alternativa não me parece que sejam famílias de aluguer, que representariam uma enorme violência para muitos dos que já tiveram uma vida cheia de afectos. A simples possibilidade de pagar 622 euros mensais para estranhos adoptarem os nossos velhos devia chegar para percebermos que somos, neste momento, uma civilização doente.
(http://arrastao.org/), por Daniel Oliveira.

domingo, 23 de maio de 2010

O FUTEBOL DA NOSSA TERRA


           CAMPEONATO DA 1ª DIVISÃO DA AFVC

Última jornada.
            Em Vila Praia de Âncora:

                                   LANHESES,  vice-CAMPEÃO!
            Terminou o encontro com a vitória do Ancorense, por 1-0. O golo foi obtido de penalty aos 37´ da 1ª parte. O Lanheses acabou a partida do título reduzido a 9 jogadores em campo duplos cartões amarelos). Após o apito final, mais um vermelho para um dos nossos jogadores.
            O árbitro foi João Costa.
Resultados
Moreira, 0-Arcozelo, 1. Perre, 0-Águias de Souto, 5. Torre, 4-Bertiandos, 2. Castanheira, 3-Grecudega, 0. Paçô, 0-Vila Franca, 2. Artur Rego, 4-V. Donas, 1. Darquense, 7-Fachense, 0. Moledense, 1-Vit. Piães, 4. Ancorense, 1-LANHESES, 0. Folga-Neiva.
CLASSIFICAÇÃO FINAL
                                           J    V    E    D     M     S     P
 1.Ancorense .....................36  28   5     3     82    25   89
 2.LANHESES .................36  28   4     4     96    24   88
 3.Artur Rego ...................35  24   6     5     86    35   78

 4.Vila Franca ....................36  20   9     7     74    45   69
 5.V. Piães .........................36  18  13    5     82    46   87
 6.Castanheira ....................36  19    7   10    75    33   64
 7.Arcozelo ........................36  17    9   10    58    45   60
 8.Darquense ......................36  13   8    15    56    45   57
 9.Águias de Souto .............36  13   7    16    57    71   46
10.Perre .............................36  12  10   14    45    58   46
11.Moledense .....................36  13   5    18    61    78   54
12.Paçô ..............................36  11  10   15    41    48   43
13.Grecudega .....................35  11    8   16   40     60   41
14.Bertiandos .....................36  10    9   17    67    86   39
15.V. Donas........................36    8    8   20    47    84   32
16.Neiva ............................36    8    5   23     45   91   29
17.Moreira .........................36    6    8   22     36   79   26
18.Fachense .......................57    7    4   24     46   89   25
19.Torre..............................35    4    5   26     33   93   17
                         SOBEM À DIVISÃO DE HONRA:
                                     - Ancorense
                                     - LANHESES
                                     - Artur Rego
Por realizar: Fachense-Artur Rego (30 de Maio). Pendente de processo: Grecudega-Torre (falta de comparência).
JÚNIORES:
Jornada 29
Resultados:
Ancorense-Folga. Barroselas, 6-Castanheira, 1. Vianense, 12-Moreira, 0. P. Barca, 1-Monção, 1. Darquense, 7-Neves, 0. Cerveira, 2-LANHESES, 1. Folga-Valenciano. Courense, 3-Melgacense, 1.
Classificação:
 1.Barroselas .............63 P
 2.Vianense ...............62 P
12.LANHESES ........20 P
14.Moreira ................  1P
Próxima jornada
LANHESES-Darquense (6º)
JUVENIS (FASE FINAL)
Jornada 9
Resultados
P. Barca, 1-V. Piães, 3. Barroselas, 0-Vianense, 1. LANHESES, 1-Paçô, 0.
Classificação
1.V. Piães ................. 9   8    0    1    23     7      24
2.Vianense ................ 9   7    0    2    24     5      21
3.P. Barca ................ 9   3    3    3    20    17     12
4.Barroselaas ............9   2     2    5    12    16       8
5.LANHESES ..........9    2    1    6    14    36       7
6.Paçô ......................9    2    0    7    10    22       6
Próxima jornada:
Vianense-P. Barca. Paçô-Barroselas. V. Piães-LANHESES.
Fonte: Jornal Alto Minho.

   

DIOS, YO NO LO CREEO!

«¿Cómo ha acabado la corrida?», preguntó Julio Aparicio al despertar a la vida tras rozar la frontera de la muert. (Foto ABC.es)   

sábado, 22 de maio de 2010

ANDORES DA PROCISSÃO DA SENHORA DA ENCARNAÇÃO.

         A Igreja Paroquial de Vila Mou, cuja padroeira está a ser festejada.

  Na Igreja Paroquial estão prontos os andores que vão integrar a procissão que se vai realizar segunda-feira, o número alto do programa da grande festa em honra de Nossa Senhora da Encarnação, na freguesia vizinha de Vila Mou (Viana do Castelo).

            Para além da grandiosidade e beleza do andor principal, salienta-se o bom gosto da ornamentação da nave da Igreja.

                              No Altar Mor, Jesus Cristo, mostra a cabeça inclinada para o lado esquerdo, posição menos usada em outras configurações da Crucificação.

VIRADO AO N

            AFINAL, HÁ OU NÃO HÁ, UMA "REPÚBLICA DAS BANANAS"?
  
            Para aqueles que entendem que a expressão "república das bananas" não é mais de que uma metáfora, nem sempre invocada a propósito e, algumas vezes, com manifesto exagero, atentem nas referências que se seguem sobre alguns acontecimentos políticos ocorridos em Portugal nas duas últimas semanas.
            Admitida por fim como real a crise económica que se abateu sobre o país, cuja paternidade nunca será assumida porque não há testes de ADN para estes casos, o governo apresentou e viu passar na Assembleia da República, um Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC), com medidas paliativas para enfrentar o monstro. Como é habitual nas decisões governamentais, as medidas foram apresentadas aos portugueses como excepcionais, muito cuidadosamente preparadas e, por isso, bastantes para suster o avanço da gripe financeira.
            Eu não sei se o país se espantou, quando tomou conhecimento no dia seguinte que o governo se fez "falconar" para Bruxelas e, ainda mais rapidamente reenviado para Lisboa directamente para a frente dos microfones e gravadores, a declarar com toda a desfaçatez que a "pen" que levaram ainda tinha espaço para outras obrigações e, sem mais conversa fiada, substituíram-na por outra com as regras que Angela Merckel e Cª determinaram fossem tomadas.
            De então para cá o governo parece um enxame de abelhas, sem mestra. Nos gabinetes ministeriais os computadores fumegam à procura de dados donde sairão as notícias do saque aos rendimentos das famílias, das pensões de reforma, das comparticipações na saúde, na assistência social, no desemprego. A azáfama é tanta que as contradições nos despachos são desnudadas na praça pública, pressionando-se de fora para dentro as rectificação dos dislates legais, elaborados ad hoc.
            Os grandes projectos avançam ou recuam como se fossem comandados por um catavento ou, por mais realista, por força dos interesses que lhes estão subjacentes. Chefes e subalternos desautorizam-se reciprocamente, proferindo declarações uns para logo serem desmentidas por outros. Tudo quanto é especialista, fazedor de opinião, editorialistas, sindicalista, político carreirista ou candidato a qualquer coisa, procura debitar não importa o quê para o ruído geral.
             Perante esta estapafúrdia barafunda, o primeiro responsável pela governação dá mostras de que, entre os muitos que possui, o dom da ubiquidade só é superado pela destreza em expressar-se nas línguas inglesa e espanhola, como é manifesto nas hilariantes cenas de riso que suscita quando as usas nas suas amiudadas idas àqueles países em representação oficial.
             Mas ainda há a oposição e, o que deveria ser, o fiel da balança. O novo (nos dois sentidos) lider do partido que espera suceder no governo o homólogo socialista, veste o papel do "misseiro" e, como está de fora, usando um charme próprio de quem está seguro de que a sua hora está a chegar, vai dando o seu aval sem se comprometer (pudera...), dando tempo a que o olho marinho engula a vítima que nele se atola para, a seguir, a substituir sem ter o ónus da culpa da situação a que se criou.
             Em tudo isto, o Presidente, não tem sido consequente com as preocupações que diz ter. Afirma que tem alertado (e tem) para a enormidade da crise e não pode correr o risco de a agravar ainda mais por força de medidas que são necessárias mas ele não impõe, não veta mas garante que devia vetar com o fundamento de que não deve perturbar com as suas decisões a estabilidade governativa, acha que o melhor para resolver a crise é esperar que ela morra depois de Portugal desaparecer.
             Será esta a tal "república das bananas?".
         

sexta-feira, 21 de maio de 2010

A "NOSSA FESTA GRANDE", EM VILA MOU

          
Desde o dia 13 do corrente mês que decorrem na vizinha freguesia de Vila Mou as grandiosas festas em honra de Nossa Senhora da Encarnação.
            É uma manifestação que as gentes de Lanheses apreciam, dedicando-lhe tanto interesse como de uma festa nossa se tratasse. Por isso lhe damos aqui o devido relevo.
            O programa inclui os habituais e muito apreciados concertos musicais estando presentes as Bandas Musical de Passos de Ferreira e Associação Musical e Cultural da Trofa, no dia 23, domingo.
            Hoje, sexta-feira, é dedicado ao folclore estando previsto para as 21H3O um festival  com a participação de cinco ranchos minhotos.
            No sábado à noite, pelas 22 horas, actuará o conjunto Ympério Show.
            Na segunda-feira, 24, é o dia dedicado à patrona da festa, sobressaindo o desfile da imponente procissão no percurso da Igreja ao Calvário e regresso.

            No arraial dos festejos há os habituais equipamentos de diversão mas, o que costuma mais atrair os visitantes, é o magnífico cabrito à moda de Vila Mou, servido nas barracas de toldos de lona ali instaladas, sendo que a do Elias é das mais solicitadas.
 Cabrito à Vila Mou ou bacalhau na brasa, é aqui, no Elias.

            Outro dos orgulhos dos vilamouenses é o seu Arco Festivo, levantado no início da alameda que leva à Igreja e constiitui o principal ex-libris da freguesia e da festa.

quinta-feira, 20 de maio de 2010

VIRADO AO N

 ...................................................................................
Um parágrafo de um relatório da União Europeia sobre o impacto dos fundos comunitários na última década chega para passar um atestado de incompetência aos engenheiros e empreiteiros (Guterres, Durão e Sócrates) que projectaram e construíram o modelo centralista e falido de governo em que sobrevivemos:

 A frase:
"Portugal foi o país que mais verbas recebeu em peso no PIB e mais beneficiou desses fundos. Mas foi o país que menos cresceu e onde as disparidades regionais aumentaram mais."
(Opinião: Jorge Fiel, DN, hoje).
....................................................................................

O FUTEBOL DA NOSSA TERRA

ONTEM, 19 DE MAIO, 20.30H, EM VILA PRAIA DE ANCORA

ANCORENSE - 5 * U.D. LANHESES - 4

(Resultado após prolongamento)


RESULTADO APÓS OS 90 MINUTOS: 4 * 4


Marcadores UDL: Filipe, Pedro Leite, Sopas e Zé


UDL ALINHOU COM: Coutinho, Fábio Castro, Sopas, Valter, Edgar, Pedro Leite, Bruno, Pedro Fernandes (Zé aos 60'), Nuninho, Johnny (André Soares aos 85') e Filipe (Jorginho aos 90'). 

             Num jogo incrível, marcar QUATRO golos no campo do adversário não foi suficiente para passar a eliminatória. Ainda assim, o Lanheses, não converteu uma grande penalidade nos últimos minutos de jogo que, a ser convertido, levava a decisão para os penaltis.
             Com este resultado a expectativa do próximo encontro que decidirá o título, contra o mesmo adversário e no mesmo local, subiu ao rubro.

quarta-feira, 19 de maio de 2010

EIS, OS FILHOTES DAS CEGONHAS!

          Finalmente! Com o sol a aproximar-se do ocaso, a cegonha de serviço reposicionou-se no ninho e os dois filhotes, finalmente, puderam levantar as suas cabecinhas à frente da sua vigilante.
           Repare-se como já cresceram nestes dez dias passados sobre a data de nascimento.

VIRADO AO N

            Agora que a crise não mais pode ser negada, agora que a nuvem negra dos seiscentos mil desempregados ameaça toldar de breu o céu português, agora que se levantou o tapete e nos damos conta do lixo que estava por baixo,  é chegado momento de saber quem nos conduziu à beira do abismo onde nos  poderemos precipitar.
            Todos os dias nos entra pelos olhos e ouvidos, em tudo quanto é papel de imprensa ou imagem de televisão, uma plêiade de eminentes figuras do conhecimento económico, da gestão empresarial, da arte diplomática, das ciências políticas, da gestão monetária de fundos, os quais, debitando conceitos de grande saber e apontando os caminhos para a riqueza e bem estar do povo almejam passar a imagem de enorme sapiência e credibilidade.
            São aquelas pessoas, eleitas pelo voto ou por nomeação, que estiveram ou estão à frente dos centros de decisão, que fazem parte ou integraram já órgãos de competência legislativa donde emanam as leis que obrigam os cidadãos, a quem se atribuem chorudas compensações remuneratórias  e mordomias as mais diversas, sendo suposto que das suas altas competências resultasse o bem estar de todos, como seria expectável esperar de tão privilegiados crânios.
             Pelo que se pode constatar, não é assim. A responsabilidade do estado a que as coisas chegaram, lá fora como cá dentro, é de quem tem ou teve o poder de decidir nunca de quem teve de obedecer. É dos senhores do mundo não do povo trabalhador para quem o voto, que se diz ser uma arma que ele pode usar, lhe é posta nas mãos apenas para poder ser responsabilizado pelo seu próprio suicídio.

          

CEGONHAS: SOB O "TOLDO" PROTECTOR DAS ASAS

            Sob o sol inclemente no pico do dia, as asas do progenitor abrem-se qual toldo amigo a proteger com a sua sombra os filhotes do perigo da insolação provocada pelos fortes raios solares, parecendo insensível ao incómodo da sua própria exposição ao astro rei. A natureza e os seus exemplos que a todos nós passam, por demasiadas vezes,  despercebidos.

AS ALMINHAS DE LANHESES (V)

   
      "Passamos pelas coisas sem as ver,
            gastos como animais envelhecidos"
                

            Chamei aqui o poeta Eugénio de Andrade para  melhor enquadrar a divulgação das alminhas cuja existência era até hoje, para mim, completamente desconhecida mesmo que a sua localização se situe numa via que utilizo muito frequentemente e estejam bem visíveis, mas de que nunca tinha dado conta. Com efeito existe na Rua de Lamas, na parede exterior de um pequeno coberto rústico restaurado, cuja proprietária é Alice Franco,um nicho em formato de alminhas tradicionais mas que, segundo averiguei, de construção relativamente recente pois não terá muito mais do que duas dezenas de anos.
             Considerando que o antigo caminho de Lamas tinha uma circulação de pessoas bastante limitada, pois que servia principalmente o acesso à veiga, não seria muito plausível a sua existência neste sítio. Tudo parece indicar que o seu construtor terá recuperado uma parte destas construções e utilizou-a para reconstituir uma réplica destas reminiscências dos crentes católicos.
             Mesmo sem possuir o passado místico de outros nichos de que temos vindo a falar não quis deixar de integra-lo no rol dos nichos com interesse para a história da nossa freguesia.
              
             

          

terça-feira, 18 de maio de 2010

CARAMURU SALVO PELA CRISE.

         
              A proposta apresentada pelo CDS-PP na reunião do executivo camarário de ontem, que visava a deslocalização do monumento a Caramuru do local onde se encontra, não obteve aprovação. Com efeito, Aristides Sousa, o subscritor do requerimento sujeito à apreciação da maioria socialista da edilidade, não pôde contar com o apoio do PPD-PSD cujo lider, Carvalho Martins, economista de formação, para justificar o voto contra do seu partido, invocou os gastos a fazer com a deslocalização que colidem com a crise generalizada que o País atravessa. Por outro lado, o facto da decisão da colocação da estátua na Praça da República ter sido da responsabilidade do executivo anterior, da presidência do socialista Dr. Defensor Moura, não se esperaria que a equipa do engenheiro José Maria Costa que ele então integrava e avalizou, tivesse já mudado o seu entendimento e lhe desse aval.
              Sendo assim, Caramuru e o seu célebre bacamarte de fogo, orgulhoso de mostrar a seu lado Catarina Paraguaçú, a nativa favorita de quem se tornou esposo, vai permanecer na sala de visitas do velho burgo vianês a atestar as suas históricas capacidades no afadigado e profícuo uso do fuzil de fogo, pelo menos até que a situação financeira respire melhor.

segunda-feira, 17 de maio de 2010

OS QUE DESTA VIDA VÃO PARTINDO



             GUALDINO AFONSO PEREIRA DA COSTA, de 86 anos de idade, casado, agricultor, faleceu hoje na sua residência sita no lugar do Monte, desta freguesia, vítima de doença.
             O funeral está previsto para amanhã, terça-feira, pelas 16H3O, saindo o féretro da residência acima referida para ser sepultado no cemitério paroquial, após celebração de missa de corpo presente na Igreja local.
              À família deste nosso conterrâneo e amigo apresentamos as nossas sentidas condolências.
           

FOTOS ANTIGAS QUE PARECEM NOVAS!

Eça de Queirós (foto)



             Em viagem de rotina diária por sites e blogues à procura de novidades e poder comparar opiniões divergentes em matérias que vão da política ao desporto, das notícias aos vídeos e artigos de opinião, fui cativado pelo pequenino extracto com que deparei no Politeia Blog, de J.M.C. Pinto, escrito por Eça de Queirós na conhecida obra  "As Farpas", cujo conteúdo facilmente se relaciona com a actual situação vivida no nosso País. Vejamos:
"As Farpas" de Eça de Queiroz
 “O país perdeu a inteligência e a consciência moral. Os costumes estão dissolvidos, as consciências em debandada, os caracteres corrompidos. A prática da vida tem por única direcção a conveniência. Não há princípio que não seja desmentido. Não há instituição que não seja escarnecida. Ninguém se respeita. Não há nenhuma solidariedade entre os cidadãos. Ninguém crê na honestidade dos homens públicos. Alguns agiotas felizes exploram. A classe média abate-se progressivamente na imbecilidade e na inércia. O povo está na miséria. Os serviços públicos são abandonados a uma rotina dormente. O Estado é considerado na sua acção fiscal como um ladrão e tratado como um inimigo. A certeza deste rebaixamento invadiu todas as consciências. Diz-se por toda a parte: o país está perdido!”
"Isto foi escrito em 1871, por Eça de Queirós, no primeiro número d'As Farpas. Parece mais actual do que nunca!"
        Dê-se aqui e ali um pequeno retoque e repare como a fotografia nem parece que foi feita há 139 anos!

O FUTEBOL DA NOSSA TERRA


          CAMPEONATO DA 1ª DIVISÃO DA AFV CASTELO
Jornada 37
Resultados:
Arcozelo-Folga. Águias de Souto, 3-Moreira, 0. Bertiandos, 3-Perre, 0. Grecudega-Torre (falta de comparência do Torre). Vila Franca, 1-Castanheira, 1. V. Donas, 1-Paçô, 0. Fachense-Artur Rego (adiado). V. Piães, 1-Darquense, 0. LANHESES, 3-Moledense, 0. Neiva, 1-Ancorense, 2.
CLASSIFICAÇÃO
                                    J    V    E    D    M    S     P
 1.LANHESES ..........35  28    4    3    96   23   88
 2.Ancorense .............35  27    5    3    81   25   86
 3.Artur Rego ............34  23    6    5    82   34   75

 4.Vila Franca ............35   19    9    7    72   45   76
 5.V. Piães ................ 35   17   13  5    82   41   64
 6.Castanheira ........... 35   18    7   10  72   33   61
 7.Arcozelo ................35   16    9   10  57   45   57
 8.Perre .....................35   12   10   13 45   53   46
 9.Darquense .............35   12    8    15  49  45   44
10.Moledense ...........35   13    5     17 60  74   44
11.Águias de Souto....35   12    7    16  52  71   43
12.Paçô ,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,35   11   10   14  41  46   43
13.Grecudega ...........34   11    8    15  40  57   41
14.Bertiandos ...........35   10    9    16  65  82   39
15.V. Donas .............35    8    8     19  46 80   32
16.Neiva ..................36    8    5     23  45  91   29
17.Moreira ...............36   6    8      21  36  78   26
18.Fachense .............37   4    7      23  46  82   25
19.Torre .................. 34  3    5       26  29  91   14
ÚLTIMA JORNADA
Moreira-Arcozelo. Perre-Águias de Souto. Torre-Bertiandos. Castanheira-Grecudega. Paçô-Vila Franca. Artur Rego-Vit- das Donas. Darquense-Fachense. Moledense-Vit. Piães.Ancorense-LANHESES. Folga-Neiva.
                     4ª feira, às 20h30, em Vila Praia de Ancora, 1/4 final das Taça da AFVC
                                             Ancorense-LANHESES
                     Domingo, em Vila Praia de Âncora, O JOGO DO TÍTULO.
JÚNIORES DA A.F.V.C.
Jornada 28
Resultados
LANHESES-Folga
Classificação
 1.Barroselas .......... 60 P
 2.Vianense ............ 59 P
12.LANHESES ......20 P
14.Moreira .............  1 P
JUVENIS AFVC
(Fase final)
Jornada 8
Resultados
P. Barca, 2-Barroselas, 2. Vianense, 12-LANHESES, 0. Paçô, 1.Vit. Piães, 0
Classificação
1.Vit. Piães ......... 21 P
2.Vianense .......... 18 P
3.P. Barca ..........  12 P
4.Barroselas .......   8 P
5.Paçô ...............   6 P
6.LANHESES ..... 4 P
Próxima jornada
P. Barca-Vit. Piães. Barroselas-Vianense. LANHESES-Paçô.
INICIADOS DA AFVC
Jornada 30
Resultados
Neves, 1-LANHESES, 3
Classificação
 1.Correlhã ...........72 P
 2.LANHESES ....64 P
 3.A. Rego .......... 62 P
15.Adecas ..........  7 P
INFANTIS A
Última jornada
Resultados
Fontourense-LANHESES
Classificação
 1.Vianense ........ 60 P
11.LANHESES...18 P
13.V. Piães .........  0 P
INFANTIS B
Última jornada
Resultados
LANHESES, 1-Torre, 5
Classificação
 1.Barroselas .......70 P
 1.Moreira ...........70 P
13.LANHESES .. 8  P
14.Santa Marta...  3
ESCOLAS 1999 A
Última jornada
Resultados
Neves, 8-LANHESES, 2
Classificação
 1.Vianense ........ 76 P
11.LANHESES...19 P
14.Torre .............  0 P
Fonte: Jornal Alto Minho

domingo, 16 de maio de 2010

CARAMURU COM ORDEM DE DESPEJO?

     
     A ser aprovada a proposta do vereador do CDS-PP Aristides Sousa, que amanhã vai estar sobre a mesa da reunião da edilidade a que preside José Maria Costa, a estátua que pretende celebrar os feitos do marinheiro CARAMURU em terras de Santa Cruz, poderá vir a ser retirada da Praça da República onde foi implantada recentemente por iniciativa do executivo anterior de maioria absoluta liderado por Defensor Moura.
          A escolha da mítica praça da República, um inigualável ex-libris do velho burgo de Viana do Castelo, para a implantação do monumento da autoria do escultor José Rodrigues para homenagear  uma figura até aí praticamente desconhecida por todos, tal como foi feita, quase à sucapa e da noite para o dia, não foi muito bem acolhida por uma boa parte da população da cidade cuja contestação, inicialmente a cargo de alguma imprensa local e de figuras independentes de maior destaque do meio que a ela tinham acesso, foi bastante tímida passando as críticas a ser mais audíveis depois da saída do então presidente, Dr. Moura.
          Não sendo posto em causa o valor artístico do monumento do escultor José Rodrigues, patente neste como noutros trabalhos da sua autoria já existentes na cidade, já o local escolhido para o erigir e o mérito dos feitos atribuídos ao homenageado estão muito longe de ser consensuais.
          Caso este assunto venha a merecer acolhimento por parte do actual executivo da Câmara Municipal e a ordem de mudança venha a ser decidida esta será, depois da reviravolta da rejeição de não adesão à CIM, a segunda emenda às decisões assumidas sob a responsabilidade do agora deputado socialista à Assembleia da República, Defensor Moura.
          Seguir-se-à a opereta do Prédio Coutinho?
         

sábado, 15 de maio de 2010

CAMINHADA DA DIVERSIDADE CULTURAL

         
Cumpriu-se, hoje, a segunda caminhada do programa "Vencer a idade com saúde", dedicada à turma de Subportela e Vila Fria, mas aberta a quaisquer outros elementos dos diferentes grupos igualmente integrados no referido programa.

              A concentração dos caminhantes fez-se no adro da Igreja de Subportela e, às l6H40 minutos iniciava-se a marcha orientada como habitualmente pelos prfs. Isabel e João Viana, para cumprir um trajecto de, aproximadamente, 5 quilómetros que atravessava as freguesias de Vila Franca para terminar na capelinha de Santo Amaro, em Mazarefes, após decorrida uma hora ssobre o seu início..

             Cerca de sessenta participantes alinharam em frente da capelinha para a habitual foto de família, depois de terem cumprido os indispensáveis exercícios de relaxamento muscular.
           

VIRADO AO N

            LIXO E CIVISMO.

                      LIXO.

                      Terminaram as cerimónias religiosas no Santuário de Fátima e quatrocentas mil pessoas que lotaram por completo o recinto, entre a nova Igreja do Santíssimo Trindade e o primitivo templo, abandonaram aquele lugar místico e sagrado.
                       O olho indiscreto da câmara da TV, percorre de uma ponta à outra o local onde decorreram as cerimónias e fixa-se, por breves momentos, num amontoado de lixo formado em frente da capelinha das aparições junto a uma bica de água ali existente.



                      CIVISMO.

                       Na Avenida dos Aliados, cento e cinquenta mil pessoas compareceram à missa celebrada por Sua Santidade o Papa. No palco levantado em frente à Câmara Municipal do Porto, vasos de lindas flores complementavam a beleza da estrutura criada por Siza Vieira, dispostos na base e a toda a largura da tribuna.
                       Mal Sua Santidade dali se retirou, centenas de presentes tomaram de assalto as flores ali colocadas e apropriaram-se delas, não de uma, o que poderia ser levado à conta de guardar em  casa uma recordação do momento especial ali vivido, mas verdadeiros ramos, até todas terem desaparecido. Quando isso aconteceu, foram os próprios vasos que despertaram a cobiça de alguns devotos verdadeiros que ali estavam, conforme denunciou a locutora de serviço.

                       Há, ainda, um longo, muito longo caminho a percorrer até merecermos o privilégio de todos podermos viver, por inteiro, em pleno século XXI os direitos da cidadania e da democracia.

                

sexta-feira, 14 de maio de 2010

O FUTEBOL DA NOSS TERRA

[Lanheses+UDL2.jpg] 
CAMPEONATO DA 1ª DIVISÃO DA A.F.V.CASTELO
Jornada 37
Hoje, no Estádio 15 de Agosto:

               U D LANHESES, 3 - Moledense, 0
(2ª feira: outros resultados e classificações)

VISITA PAPAL TERMINOU EM PORTUGAL.

            Sequência fotográfica do encerramento da visita de Sua Santidade o Papa ao Porto.