segunda-feira, 30 de novembro de 2009

CAMPEONATO DA 1ª DIVISÃO DA A.F.V.CASTELO

NADA PERROS...
JORNADA 12 
PERRE, 1 - LANHESES, 3 
(ao intervalo, 0-3)          
 Não se antevia fácil o jogo fora com o Perre, o 6º classificado, mas o Lanheses não facilita e somou a 11ª vitória consecutiva em outras tantas jornadas. Os golos dos rapazes do UDL foram todos obtidos na primeira parte, dois dos quais de rajada, vindo os visitados a obter o golo solitário perto do fim do tempo.
             A vitória não merece ser contestada pois os vencedores foram sempre a melhor equipa em campo e as desculpas do treinador do Perre, queixando-se do árbitro, começam a cheirar a campanha com vista a travar a cavalgada irresistível dos nossos à vitória final.
             O LANHESES alinhou: Coutinho, Leonel, Bruno, Filipe (Zé, 24m) Nuninho (André, 80m), Edgar, Valter, Jony (Fábio Castro, 68m), Pedro Fernandes, Pedro Leite e Dário.
Treinador: Henrique Meia-Noite.
              MARCADORES:0-1, Pedro Leite, 26m; 0-2 Nuninho, 27m (g.p.); 0-3, Pedro Fernandes, 42m; e, João, 87m, 1-3.                                        
 RESULTADOS

Grecudega-FOLGA
Bertiandos, 1 - Vila Franca, 3
Águias de Souto, 3 - V. Donas, 0
Arcozelo, 3 Fachense, 1
Moreira, 2 - V. Piães, 2
Perre, 1 - LANHESES, 3
Torre, 0 - Neiva, 1
Castanheira, 0 Ancorense, 1
Paçô - Moledense (adiado devido ao mau tempo)
Artur Rego, 1 - Darquense, 1

PRÓXIMA JORNADA
Grecudega - Bertiandos
Vila Franca-Águias de Souto
V. Donas-Arcozelo
Fachense-Moreira
V. Piães-Perre
LANHESES-Torre
Neiva-Castanheira
Ancorense-Paçô
Moledense-Artur Rego
Folga-Darquense

CLASSIFICAÇÃO
                                            J   V   E   D   M   S      P
 1. LANHESES                  11  11   0   0   44   6    33
 2. Ancorense                     12    8   2   2   23  10   26
 3. Vila Franca                    11    8   2   1   23  16   26
 4. Artur Rego                     11   7   3   1   22  13   24
 5. Castanheira                    11   6   0   5   22  12   18
 6. Darquense                     12   5   3   4    18   12  18
 7. Perre                             11   5   3   3    18   14  18
 8. Moledense                    11   5   2   4    18   13  17
 9. Arcozelo                       12   4   3   5    18   18  15
10.Águias de Souto            12   4   3   5    19   23  15
11.Fachense                       11  4   1   6     19   19  13
12.Bertiandos                     12   3   4   5    17   24  13
13.V.Piães                         11   1   9   1    14   14   12
14.Neiva                            12   3  2    7    15   27   11
15.Grecudega                     11  3   1   7      7   19   10
16.Moreira                         11   1  3    6     9   20     9
17.V.Donas                        11   2  3   6     8    21    9
18.Paçô                              10   1  3   6     9    18     6
19.Torre                             11   1  1   9      8   32    4
Fonte: Alto-Minho

domingo, 29 de novembro de 2009

O LINDO LARGO DO OUTEIRO

 

             Está um brinquinho o Largo do Outeiro! Não é um lugar de passagem, por isso, é preciso tomar a iniciativa, sair do Centro Cívico pela Rua da Igreja, contornar a Capela do Senhor do Cruzeiro e das Necessidades e logo se dá de caras com o surpreendente larguinho da Capela de S. Frutuoso. Não há comércio, os automóveis permanecem, quietos e inofensivos, à porta dos moradores. Uma anciã varre, em  frente à sua casinha de presépio, debaixo de uma parreira que a viu nascer e, provavelmente, assistirá ao       ocaso da sua existência neste mundo. Parece ali estar desde o princípio, que nunca dali saiu, faz parte da alma do lugar.

             O espaço, recentemente requalificado, é os olhos da cara dos seus residentes. Não há como os moradores do Outeiro quando se trata de afirmar o brio e a tradição da nossa terra. É aqui, verdadeiramente onde, mais fiel e genuinamente, permanece a alma e autêntico bairrismo de Lanheses.                                                                            



Foi aqui que viveu e trabalhou o último oleiro, o derradeiro fazedor dos cântaros e púcaros de barro vermelho e preto, uma das mais salientes e antigas actividades laborais da freguesia, os quais ali estão representados pelos exemplares expostos no local e lápide de homenagem a perpetuar a sua memória.
                  São Frutuoso, ou Senhor dos Passos, que anualmente, assiste à passagem de uma procissão a partir da Igreja Paroquial, tem agora o seu Cruzeiro fronteiro com melhor enquadramento. A Capela, tratada com todo o desvelo pelos devotos, é a guardiã do silêncio místico do local.


             Algumas das vetustas casas que ladeiam o terreiro preservam a sua rusticidade e apresentam cuidado aspecto de conservação e restauro, identificando-se com o conjunto. Flores e canteiros ai existentes são tratados com gosto e arte, a expensas das mulheres do sítio, que o fazem com o maior desvelo e, as árvores, aqui e ali plantadas, crescem ao ritmo da vida que ali se respira.



                Vão ver o LARGO DO OUTEIRO. Ah!, levem convosco o coração e os olhos de ver o que esse coração "lê" e sente o que eles vêem.

sábado, 28 de novembro de 2009

O "DERBY" DAS ABÓBORAS



UD LANHESES JOGOU E NÃO "EMPERROU"

                                     PERRE, 1- LANHESES, 3
             Realizou-se, hoje, a 12ª jornada da 1ª Divisão da A.F.V. Castelo, e o Lanheses deslocou-se a Perre, actual 6º classificado. Mesmo tratando-se de um conjunto de uma terra bem mais conhecida por criar famosos vinhos do que pela excelência do seu futebol, a deslocação continha alguns riscos para o leader invicto, que teria de se precaver contra qualquer surpresa. Felizmente, as coisas correram da melhor forma e, a escassos segundos do final da partida, a informação telefónica confirmava a vitória categórica dos forasteiros por 1-3.
                                                              (2ª-feira: resultados e classificações)
            
            

LEITURAS

             ANTÓNIO BARRETO, ex-ministro, em entrevista ao Jornal I

Entrevista

"Portugal está à beira da irrelevância, talvez do desaparecimento"

por Maria João Avillez, Publicado em 01 de Março de 2009

........................................................................................................................................................................
O país está muito doente?

Está dependente, doente não. Há um fenómeno de esgotamento, de cansaço. Entre 1960 e 1995 houve uma verdadeira cavalgada: fomos o país que mais cresceu e se desenvolveu na Europa, com uma mudança demográfica completa, outra nos costumes, algo de absolutamente fantástico! De repente chegámos a 90 ou 95 e percebemos que não tínhamos inovado nem criado muito... Fizemos auto-estradas - qualquer país com um cheque na mão as faz -, mas não fizemos novas empresas, novos projectos, novos produtos. E perdemos muito do que tínhamos: demos cabo da floresta, demos cabo da agricultura, demos cabo do mar. Três coisas imperdoáveis, três erros históricos. E não sei se ainda é possível voltar a prestar atenção à floresta, à agricultura, ao mar...
........................................................................................................................................................................

ESTÃO A PERDER O NORTE!

             Dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) hoje divulgados vêm confirmar a escandalosa desigualdade que se verifica entre o poder de compra de Lisboa e a sua região, comparativamente ao Norte do país, onde reside a maior densidade populacional portuguesa.
             Tendo por referência o ano de 2007, ainda antes de ter surgido a crise económica internacional que estamos a atravessar, a capital portuguesa ocupa o 1º lugar na lista das cidades com melhor rendimento per capita, com 235,7% pontos, valor que supera em 135,7% a média nacional!!!. No ranking divulgado Oeiras, de Isaltino Morais, aparece em 2º lugar, com 173,0%, seguindo-se Cascais (155,7%), Alcohete (?!), (144,8%) Almada e (121,4%). A primeira cidade do Norte é o Porto, com 170,5%, seguida de São João da Madeira.
             No Sul, cidades com Faro e Albufeira, acompanham de perto os índices atribuídos às cidades da Grande Lisboa, cotando-se entre as mais ricas de Portugal.
             Na região transmontana encontra-se a maior parte dos 16 concelhos do mapa onde se concentra a população com o mais baixo poder de compra do país!
             Salta à vista a evidência da situação de desavergonhado privilégio de que beneficia a capital, em detrimento, com as excepções já referidas, da maior parte da população portuguesa, nomeadamente a do Norte. Lisboa configura-se, assim, como um oásis e, deste modo, bem distinta de Portugal, usufruindo de condições de vida bem acima da que está ao dispor da maioria da Nação, quer em função do rendimento salarial quer pela oferta que tem ao seu dispor no domínio dos bens e serviços públicos. Pois, Portugal é paisagem, o resto é Lisboa...
             Para quem se deixou embalar (e foram tantos...) na onda das promessas (e foram e continuam a ser muitas mais...) que inundaram as almas no fervor de viver a construção de uma Nação solidária, igualitária e humanista, só poderá concluir pela inevitabilidade de começar tudo outra vez...

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

NEM TUDO O QUE RELUZ É OURO

            Por isso, mal precavido anda quem aceita sem mais aquelas tudo o que, nos jornais mas principalmente através da TV, e, já agora, pela internet e telemóvel ou outros prodígios da sofisticada tecnologia actual, se dispõe a aceitar sem questionar tudo o que lê ou ouve. Descartes lá tinha as suas razões...
            É o caso esta semana divulgado do cidadão belga que, em consequência de um acidente de viação, terá estado em coma vegetativo durante tantos anos quantos os que possuía a data em que foi hospitalizado com 23 anos. O médico que o assistia terá detectado que o seu paciente, durante aquele longo período, afinal tinha tido sempre consciência do que se passava à sua volta, sem poder todavia efectuar o mínimo gesto ou reacção perceptível por ser medicamente irreversível o seu caso.
            Com o recurso a um computador foi possível estabelecer com o doente um entendimento formal obtendo o corpo clínico do hospital os dados que garantem estar-se em presença de um caso médico verdadeiramente assombroso e invulgar.
             Certo é que, um pouco surpreendentemente, o assunto não mereceu dos media mais destaque do que aquele que lhe foi concedido no dia da notícia. Falta de credibilidade científica? Menor impacto na opinião pública que desvaloriza a sustentação do tema? Mistificação e oportunismo dos intervenientes? Como saber?
              O assunto, porém, não se esgota só e apenas na resolução clínica do problema de saúde física superado, como se constatou através das imagens televisivas, com extraordinário êxito. Numa generalização plausível a casos idênticos, que de quando em vez nos são dados a conhecer, interna e externamente, podem levar-nos a equacionar o tema cada vez mais insistentemente abordado da morte provocada, isto é, o acto de fazer cessar a assistência clínica a um doente em estado terminal, pelo desligar dos meios artificiais que o sustentam em vida vegetativa.
               É, pois, a ciência inteiramente fiável? Quando é que morre um ser humano?
               Não é a resposta da ciência que me sacia e tranquiliza.
             
           

O ACHADOR DAS PIROGAS DE LANHESES


        Anda um cidadão despreocupado entretido na pesca da lampreia nas águas cristalinas do rio remansoso, perscrutando o leito de areia branca sob a água cristalina correndo como a fresca brisa da manhã, na esperança de vislumbrar o saboroso pitéu descansando do exaustivo e prolongado esforço para cumprir o ciclo natural da reprodução da espécie ou deslizando no seu jeito sinuoso e veloz vencendo a corrente dócil, quando, alheado por instantes do seu objectivo, um vulto de tonalidade escura, meio submerso, lhe desperta especial curiosidade. Está escassos vinte metros metros da margem, muito perto do local onde termina a Avenida Rio Lima e a montante dela. A idéia inicial que lhe ocorreu foi a de que se tratava de um tronco de velho amieiro engolido na erosão da margem cujo fenómeno é banal e muito frequente nas margens arenosas do local. Depressa, porém, mudou de opinião ao constatar que a parte descoberta semelhava a proa de uma embarcação o que agitou instintivamente a sua curiosidade e o levou a considerar dar do achado conhecimento a um conterrâneo habilitado com estudos académicos na área da arqueologia.

                                           Dentro do Água-Arriba, perto do local onde descobriu as pirogas milenárias

            Confirmada, no local, a expectativa de se estar em presença de uma descoberta com interesse arqueológico foi dela dado conhecimento ao Centro Nacional de Arqueologia Náutica e Subaquática
            A personagem de que tenho vindo a falar é Francisco Pinto Agra, comerciante, natural e residente em Lanheses e que, em 17 de Março de 2002, se recreava na sua barquinha na pesca desportiva do saboroso ciclóstomo, através do qual a equipa que o CNANS aqui fez deslocar obteve as primeiras informações e, desde logo, reconheceu estar-se em presença de uma descoberta de suma importância, como cientificamente se veio a comprovar.
A PIROGA Nº  4


          À primeira PIROGA foi dado o número quatro, porquanto, noutros locais do Rio Lima, desde 1980, já haviam sido descobertas outras três, duas das quais não muito afastadas do local chamado da Passagem, onde estas duas se situavam..
           Posteriormente e, na sequência das operações de resgate do primeiro achado, veio a descobrir-se uma outra PIROGA, à qual foi atribuído o nº 5.



                        A PIROGA Nº 5

            
           Tratam-se de duas pirogas monóxilas, o que significa que foram construídas a partir de um único tronco, no caso em carvalho alvarinho. A nº 4 caracteriza-se pela originalidade da proa que se assemelha a um bico ou focinho de um animal marinho, provavelmente golfinho, o que nos remete para um mito da História da Humanidade que considera este mamífero como amigo dos homens, guiador de mareantes e salvador de náufragos.
            Salienta-se naquela piroga um importante pormenor técnico que consiste numa tábua de remendo pelo sistema de encaixe, mecha e respiga, específico e típico da carpintaria naval da época clássica mediterrânica antiga, que testemunha a sua influência na carpintaria naval daqueles tempos.
            A segunda piroga descoberta perto da anterior terá sido também referenciada por Xico Agra, como vulgarmente é conhecido no meio, embora tal ainda não haja sido reconhecido oficialmente.
            O interesse desta piroga reside no facto de se encontrar em perfeito estado de conservação, presumindo-se que a sua construção haja sido abandonada já em fase adiantada dos trabalhos, em virtude de provável estalamento radial das extremidades ter levado à interrupção do seu afeiçoamento interior
            A datação dos valiosíssimos achados foi efectuada em Miami, nos Estados Unidos, pelo método de rádiocarbono, podendo estimar-se serem as pirogas de de uma época do ano 2220 a.C..

             As preciosas pirogas estão presentemente em Lisboa, a cargo do Instituto Português de Arqueologia, em virtude da sua preservação exigir condições especiais de alojamento. Está nos objectivos das entidades representativas da Freguesia de Lanheses poderem aquelas  antigas embarcações usadas pelos nossos antepassados vir a integrarem o Núcleo Museológico recentemente criado e em funcionamento nas instalações actuais daquela Junta possibilitando, deste modo, a acessibilidade fácil a uma raridade de interesse nacional e, até, mundial de que os lanhesenses muito se devem orgulhar.

              Fotografia alusiva às Pirogas de Lanheses, no Núcleo Museológico da Freguesia


           
            

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

CAMPEONATO DA 1ª DIVISÃO DA A.F.V. CASTELO

              11ª JORNADA

Vila Franca, 2 - Grecudega, 1
V. Donas, 1 - Bertiandos, 1
Fachense, 0 - Águias do Souto, 1
V. Piães, 2 - Arcozelo, 2
LANHESES, 6 -  Moreira, 0
Neiva, 3 - Perre, 2
Ancorense, 4 - Torre, 0
Moledense, 3 - Castanheira, 1
Darquense, 1 - Paçô,,0
Folga: Artur Rego



Em cima: o penalty.
Em baixo: o golo.




CLASSIFICAÇÃO
                                        J   V   E   D   M   S   P
 1º LANHESES             10  10  0   0   41   5   30
 2º Ancorense                11    7  2   2   22  10  23
 3º Artur Rego               10    7  2   1   21  12  23
 4º Vila Franca              10    7  2   1   20  15  23
 5º Castanheira              10    6  0   4   22  11 18
 6º Perre                        10   5  3   2   17   11 18
 7º Darquense                11   5  2   4   17   11 17
 8º Moledense               11   5  2   4   18   13  17
 9º Fachense                  10  4   1  5    18   16  13
10º Bertiandos               11  3   4  4    16   21  13
11º Arcozelo                 11  3   3  5    15   17  12
12º Águias de Souto      11 3   3  5     16   23  12
13º V. Piães                  10  1   8  1    12   12  11
14º Grecudega              11   3  1  7     7    19  10
15º V. Donas                10   2  3  5     8    18    9
16º Moreira                  10   2  2  6     7    18    8
17º Neiva                     11   2  2  7    14   27    8
18º Paçô                      10   1  3  6      9   18    6
19º Torre                     10   1  1  8      8   31    4

PRÓXIMA JORNADA
      Grecudega (Folga)
      Bertiandos - Vila Franca
      Águias de Souto - V. Donas
      Arcozelo - Fachense
      Moreira - V. Piães
      Perre - LANHESES
      Torre - Neiva
      Castanheira - Ancorense
      Paçô - Moledense
     Artur Rego - Darquense

OUTROS RESULTADOS
JÚNIORES
Neves, 2 - LANHESES, 0
CLASSIFICAÇÃO:
13º LANHESES, 4 pontos
Próximo Jogo: Lanheses (Folga)
JUVENIS
TAÇA AFVC
V. Piães, 3 - LANHESES, 2   
Fonte: Jornal Alto-Minho

Sempre ao ataque, aqui pelo ar.

domingo, 22 de novembro de 2009

JESUS QUEIMADO NO INFERNO

                                                  TAÇA DE PORTUGAL
No "inferno" da Luz,

                                         BENFICA, 0 - GUIMARÃES, 1


SLB
2009.11.22
DESCANSE EM PAZ

U.D. LANHESES - A "MONOTONIA" DAS VITÓRIAS SUCESSIVAS


                                               LANHESES, 6 - MOREIRA, 0
            Olha a novidade! À décima jornada, a DÉCIMA vitória! Quem esperava outra coisa?!
             Pois é, com classe e limpeza.
A MARCHA DO MARCADOR:
              29m., 1-0 - Nuninho (de penalty)
              68m,  2-0 - PedroLeite
              70m.  3-0 - Johnny
              83m.  4-0 - PedroLeite
              85m.  5-0 -Filipe
              89m.  6-0 - Nuninho.
VAI ENTRAR?
Não, não quiz. E, assim, não foi o primeiro.
(Amanhã, o desenvolvimento e resultados da jornada)

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

DRAGÕES "LEVAM" QUEIRÓS À ÁFRICA DO SUL


Em Zenica, Bósnia-Herzegovina,
                                                   BÓSNIA, 0 - PORTUGAL, 1
          Com um golo de BRUNO ALVES, em Lisboa (1-0) e outro de RAUL MEIRELES, ontem, em Zenica, Queirós, o tal que só tinha jeito para os júniores, sem curriculo, pé-frio, amigo de Pinto da Costa, incrédulo da Senhora de Caravággio, com competência apenas para estagiário, teórico escolástico, sem aptidão para vendedor de banha da cobra, convencido de que sabe mais de táctica de futebol de que o próprio Jesus (o mortal), com o cabelo de risco ao meio, vai estar no Mundial de 2010!.
           Não dispôs de dois anos para preparar a equipa.
           Não contou com com o melhor do Mundo, Figo.
           Não teve Pauleta, o melhor marcador de sempre da selecção.
           Não teve alternativa ao CR7, ou lá o que lhe queiram chamar, que nem um golo lhe vimos marcar.
           Não teve parte dos seleccionáveis em forma física ou clínica.
           Não tinha alternativa muito melhor a Eduardo, Hugo Almeida, Deco, Edinho.
           Não teve sorte com alguns árbitros.
           Não beneficiou de uma comunicação social compreensiva e justa.
           Não teve ambiente, sobretudo em "casa" mais simpático do que em Zenica.
           Não teve oportunidade para dispensar VÍTOR BAÍA.
           TEVE um grupo FANTÁSTICO de ATLETAS, colaboradores e PORTUGUESES que sempre estão com a SELECÇÃO PORTUGUESA.  
                              
                 O CARIMBO DO RAUL

-Não vai falhar


                                  Não é rugby, é a festa. Já não foge.



-de bola "parada", como se vê.











                                            OS COMENTADORES DA CORTE
                Se, aos comentadores da comunicação social, escrita ou visual, que pululam na corte lisboeta, fosse aplicado o princípio seguido por alguns dirigentes de clubes que avaliam a competência dos  treinadores, que eles próprios contrataram, pelos resultados obtidos ao fim de alguns meses, hoje, os desempregados em Portugal seriam mais de 700 mil...

                Mas no futebol, como na política, vergonha ninguém tem. Se, ao menos, percebessem de agricultura, poderiam vir a criar um verdadeiro reino de abóboras...
Fotografias: TVI

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

PARABÉNS, DRAGÃO.



O ESTÁDIO.
Inaugurado em 16 de Novembro de 2003.
Arquitecto: Manuel Salgado
Custo total da obra: 98 milhões de euros
Lotação máxima: 50 948 espectadores
Considerado por uma comissão enquadrada de clubes e governos estatais brasileiros o "mais bonito", "harmonioso" e "interessante".
Na Irlanda do Norte, foi construído um estádio seguindo o modelo do Dragão. Idêntica decisão deverá ser adoptada pelo Brasil, com vista ao Mundial de 2014. 
A VENCER DESDE 1893

PARABÉNS, DRAGÃO!


REFLEXÃO DA SEMANA

          O filho, para o pai:

           - Pai, estou a considerar a hipótese de fazer carreira no crime organizado.

           O pai, não tirando os olhos do jornal, pergunta:
 
           - No Governo ou no Sector Privado?
(Gentileza de um amigo)

CAMPEONATO DA 1ª DIVISÃO DA A.F.V.CASTELO

9ª JORNADA.
RESULTADOS:
Vila Franca- Folga
Grecudega, 2 - V. Donas, 1
Bertiandos, 3 - Fachense, 2
Águias do Souto, 2 - V. Piães, 2
Arcozelo, 0 - LANHESES, 1
Moreira, 1 - Neiva, 2
Perre, 1 - Ancorense, 0
Torre, 1 - Moledense, 5
Castanheira, 0 - Darquense, 1
Paçô, 1 - Artur Rego, 3

CLASSIFICAÇÃO          J   V   E   D   M   S    P
 1º LANHESES                9   9   0   0    35    5   27
 2º Artur Rego                 10   7   2   1    21   12  23
 3º Ancorense                  10  6   2   2    18    10  20
 4º Vila Franca                  9   6   2   1    18    14  20
 5º Castanheira                  9   6   0   3    21     8   18
 6º Perre                           9   5   3   1     15    8   18
 7º Darquense                  10  4   2   4     16   11  14
 8º Moledense                  10  4  2   4      15   12  14
 9º Fachense                      9  4  1   4       18  15  13
10º Bertiandos                  10 3  3    4      15  20  12
11º Arcozelo                     10  3  2  5      13   15 11
12º V. Piães                       9   1  7   1     10   10  10
13º Grecudega                  10  3   1  6      6     17 10
14º Águias do Souto         10  2   3   5     15   23   9
15º Moreira                       9   2   2   5      7    12   8
16º V. Donas                     9   2   2   5      7     17  8
17º Paçô                            9   1   3  5      9     17  6
18º Neiva                         10   1  2  7       11   25  5
19º Torre                           9    1  1  7       8    27  4

PRÓXIMA JORNADA.
Vila Franca - Grecudega
V. Donas - Bertiandos
Fachense - Águias do Souto
V. Piães - Arcozelo
LANHESES - Moreira
Neiva - Perre
Ancorense - Torre
Moledense - Castanheira
Darquense - Paçô
Folga - Artur Rego

O JOGO.
                            Arcozelo, 0 - LANHESES, 1
O UDL alinhou: Coutinho. Leonel, Bruno (Cerqueira, 92m) Filipe e Nuninho (André, 68m); Edgar, Valter, Johnny (Zé, 78m) e Pedro; Pedro Leite e Dario.
GOLO: Johnny, 17m.
ESTADO DO TEMPO: CHUVA INTENSA e terreno empapado.

  JÚNIORES:
                          LANHESES, 1 - Monção, 4
CLASSIFICAÇÃO: 
                          13º Lanheses, 4 p.
Próximo jogo: Neves - Lanheses.
  JUVENIS.
                           LANHESES, 11 - Torre, 0
CLASSIFICAÇÃO.
                           4º LANHESES, 13 pontos
Próximo jogo: Paçô - LANHESES
INICIADOS:
                            Monção, 0 - LANHESES, 0
Próximo jogo: LANHESES (Folga)
CLASSIFICAÇÃO:
                            7º LANHESES, 9 pontos.
                                                                                                      
Fonte: jornal ALTO-MIMHO           

domingo, 15 de novembro de 2009

CAMPEONATO DISTRITAL DA 1ª DIVISÃO DA A.F.V.C.-10ª JORNADA

          HOUVE (MUITA) CHUVA, MAS ...NÃO DE GOLOS!
 ARCOZELO, 0 - LANHESES, 1
 Nove vitórias seguidas! É só facturar.
                      Até amanhã.

O REGRESSO DA SENHORA DO CARAVAGGIO

PORTUGAL, 1 - BÓSNIA, 0 (Em Lisboa, pois claro)

Jogámos assim

Marcámos assim


O número era assim
Corremos assim (calma, rapazes, a Bósnia é só quarta-feira...)

O primeiro milagre foi assim, mas Nª Sª do Caravággio tinha mais (o bis-bis)

Jogar no Inferno e não vir com os pés quentes não era milagre, assim...é melhor levar luvas para a Bósnia.
Ah, grande Bruno! Foi à jogador de futebol! ASSIM, SIIIIIIIIMMMMMMM!!!

sábado, 14 de novembro de 2009

FOTO ESTEVES "À LA MINUTA"



É, provavelmente, o mais antigo fotógrafo ambulante "à la minuta" em actividade no distrito de Viana do Castelo, quiçá do país. José Esteves, de seu nome, está ligado à fotografia desde a infância, seguindo a tradição familiar, por influência dos seus pais que se dedicavam àquele ofício e que ele continuou nos moldes e estilo de vida por eles seguidos.
          Há mais de cinquenta anos que o Zé Pinógrafo, alcunha que lhe vem do tempo das brincadeiras de rapaz, se vem dedicando à arte da fotografia com métodos e materiais utilizados para aquele fim no século passado, rejeitando a sedução das inovações tecnológicas de que nem sequer quer ouvir falar.
          Houve tempos em que, José Esteves, intentou encetar mais ousados voos chegando a criar no Largo Capitão Gaspar de Castro (Largo da Feira) um estúdio de porta aberta. Porém, a iniciativa fracassou e, desde então, nunca mais abandonou a câmara escura sobre o tripé, acolhendo-se na sua casinha da encosta do Outeiro, com vista paradisíaca sobre o vale do Lima.
          Do que se conhece do seu feitio vincadamente individualista e reservado, pouco interessado em granjear amizades e de intervenção social na comunidade nula, José Esteves, é, contudo,afável no trato, se bem que parco nas palavras, pensando e dizendo apenas o que não o compromete. Difícil é satisfazer qualquer curiosidade como saber a proveniência do papel  de que carece para o seu trabalho por serem escassos os fornecedores: -é preciso pesquisar, vai dizendo sem mais pormenores e tom  dúbio.

   O velho fotógrafo tem, na sua irmã, uma diligente colaboradora que o acompanha para qualquer festa ou romaria aonde se desloca para exercer o seu mister. Fazem-no cada um na sua bicicleta a pedal, a dele a mesma de sempre, com o seu selim de mola cromada, onde ajoujam os apetrechos e a barraquinha às riscas, tudo criteriosamente colocado no sítio apropriado, assim percorrendo largas distâncias. Fazem todas as romarias em volta e, reconciliados com a comissão de festas da freguesia após ter sido solucionado o local onde deveria instalar-se em dias de festividade, voltou ao recinto onde decorrem as festas do Senhor do Cruzeiro, em Lanheses, não exactamente onde costumava mas em espaço que satisfaz as exigências de um brioso retratista que gosta de valorizar e respeitar a tradição.


           Os trabalhos que executa são a preto e branco e não espere, quem só conhece a máquina digital e altas definições, que a qualidade seja a melhor. Mas têm encanto sobretudo para aqueles que guardam, ainda, nos seus álbuns e nos quadros fixados nas paredes as memórias dos tempos que viveram, sendo eles de baptizados, primeira comunhão ou outros acontecimentos irrepetíveis da vida já passada.

     
         Celibatário e de viver ascético e solitário, José Esteves não parece, contudo, indiferente à vertiginosa evolução do mundo nos últimos sessenta anos. É, por isso, que, a sua aparente falta de apetência pelos "benefícios" que, supostamente, o progresso põe a disposição da sociedade actual tenha mais a ver com a fidelidade à paixão da sua vida do que de qualquer incapacidade própria, já que, desde muito novo, demonstrou possuir espírito inventivo e, até, ideias inovadoras para a época. Tivesse ele nascido noutro meio e noutros tempos...  

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

O "MEU" LARGO DAS CARVALHEIRAS



          A toponímia recentemente aprovada pela autarquia atribuiu, ao espaço existente na Corredoura, uma designação correspondente ao lugar onde se situa, seguindo uma lógica coerente com os critérios usados em idênticos espaços existentes noutros pontos da freguesia, com excepção do Largo de São João, na Forcada, e do Largo Capitão Gaspar de Castro (sem Benemérito), ou Largo da Feira, na tradição popular.
          O local da Corredoura foi requalificado preservando-se a existência da maior parte das oliveiras que ali existem há muito tempo, uma bica de água sai por uma fonte em pedra de traço simples mas elegante, um dispositivo submerso para o lixo doméstico não confere qualquer agressividade com o granito dos arranjos dos passeios e os edifícios envolventes, os quais, antigos mas bem cuidados, dão ao largo uma sobriedade muito atraente e simpática.

Quem ali nasceu, ou morou, e fez daquele pequeno espaço o palco das sua primeiras emoções, das suas primeiras alegrias e tristezas, onde fez os amigos e muitas histórias que ainda hoje são vividas e, em conversas com os protagonistas que as construíram, vão sendo recordadas em encontros ocasionais, sempre chamou o local como CARVALHEIRAS. Esta foi a designação que os seus pais lhes transmitiram que, por sua vez, a haviam recebido dos seus progenitores. E, estamos a falar de moradores que, hoje, têm já mais de setenta anos e viram os seus ascendentes e respectivos avós, denominar o local daquela maneira.



        
       É, pois, baseada na tradição testemunhada ao longo de quatro gerações, pelo menos, que se mantém para alguns de nós a certeza de que, antes das oliveiras, terão existido no local alguns carvalhos, justificando-se, deste modo, a designação de lugar das Carvalheiras.

                     Não se conhece a fundamentação que levou os responsáveis pela proposta da toponímia actual a optarem por tal designação. Os alvitres que verbalmente chegaram ao conhecimento dos responsáveis através de personagens credíveis, quer pela idade quer pelo conhecimento directo do assunto, não obtiveram valimento e a tradição, que prevaleceu para outros casos não foi, neste, respeitada. Custa a acreditar que, para a escolha da designação actual, apenas tivesse sido ouvido um número restrito de pessoas que, ou por ali morarem há relativamente pouco tempo ou por menos interessadas se tivessem pronunciado ao arrepio da tradição.

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

CAMPEONATO DA 1ª DIVISÃO DA A.F.V.CASTELO

9ª JORNADA
RESULTADOS: 8.11.2009
                                        
Vitorino das Donas, 1 - Vila Franca, 2
Fachense, 1 - Grecudega, 0
Vitorino de Piães, 0 - Bertiandos, 0
LANHESES, 4 - Águias do Souto, 0
Neiva, 1 - Arcozelo, 4
Ancorense, 2 - Moreira, 0
Moledense, 2 - Perre, 1
Darquense, 6 - Torre, 1
Artur Rego, 3 - Castanheira, 2
Folgou Paçô
CLASSIFICAÇÃO:
            J   V   E   D   M   S     P
1. LANHESES                 8   8   0   0    34   5    24
2. Ancorense                    9   6   2   1    18   9    20
3. Artur Rego                   9   6   2   1    18  11   20
4.Vila Franca                  9   6   2   1     18  14   20
5. Castanheira                  8   6   0   2     21    7   18
6. Perre                            8   4   3   1     14    8   15
7. Fachense                      8   4   1   3      16  12  13
8. Darquense                    9   3   2   4     15   11  11
9. Arcozelo                      9   3   2    4      13  14  11
10. Moledense                  9   3   2    4      10  11  11
11. V. Piães                      8   1   6    1        8   8     9
12. Bertiandos                  9   2   3    4        12  18  9
13. Moreira                      8   2   2    4          6  10   8
14. Águias do Souto        9   2   2    5        13  21   8
15. V. Donas                    8   2   2    4         6   15   8
16. Grecudega                   9   2   1    6         4   16   7
17. Paçô                          8    1   3    4         8   14   6
18. Torre                         8    1   1    6         7   22   4
19. Neiva                        9    0   2    7         9   24   2

PRÓXIMA JORNADA.
Vila Franca (Folga)
Grecudega - Vitorino das Donas
Bertiandos - Fachense
Águias do Souto - Vitorino de Piães
Arcozelo - LANHESES
Moreira - Neiva
Perre - Ancorense
Torre - Moledense
Castanheira - Darquense
Paçô - Artur Rego

JÚNIORES.
Moreira, 3 - LANHESES, 3
CLASSIFICAÇÃO:
1º Barroselas             15 pontos
 .........
10ºLANHESES           4    "
JUVENIS.
Cerveira, 4 - LANHESES, 1
CLASSIFICAÇÃO:
1º Vitorino de Piães      15 pontos
..............
4º LANHESES             10   "
INICIADOS.
LANHESES, 2 - Valenciano, 0
CLASSIFICAÇÃO:
1º  Correlhã                    16 pontos
.........
7º LANHESES                 8    "

             

BANANA LINDA, DA MADEIRA!





Ui, ui, ROLANDO, não era nessa!

Não sei por que lhe chamam chapéu. Para mim é banana... da Madeira!

domingo, 8 de novembro de 2009

CAMPEONATO DA 1ª DIVISÃO DA AFVC

LANHESES, 4 - ÁGUIAS DO SOUTO, 0
(ao intervalo, 0-0)
 
                                                                
             Águias do ... pouco (fôlego) impotentes para impedir nova goleada e oitavo triunfo consecutivo dos indomáveis atletas do UDL!
             Após uma primeira parte de bastante equilíbrio, com oportunidades repartidas para alcançar o golo, a melhor de todas perdida pelos forasteiros ao findar o período inicial, os leaders da prova alcançaram um merecido triunfo mercê de uma segunda parte mais eficaz.
              A equipa forasteira, principalmente nos primeiros 45 minutos, evidenciou muitas capacidades disputando o jogo sem complexos e bom futebol. Nesse período foi, sem qualquer dúvida, a melhor equipa que até ao momento se apresentou em Lanheses.

              Ao contrário do que havia acontecido no primeiro tempo, os amarelo-azuis não desperdiçaram as oportunidades que foram criando, sobretudo pela acção de Nuninho, o qual entrou no jogo no início do período complementar, coroando uma excelente exibição com a marcação de dois dos quatro tentos alcançados.
              Os golos aconteceram aos 53m (Filipe), aos 73 e 87 (Nuninho) e aos 80 (Johnny)
               A arbitragem esteve a cargo de Pedro Vieira, auxiliado por Paulo Vieira e João Dias.



             O UDL alinhou: 12-Coutinho; 2 Leonel, 6 Bruno, 9 Filipe e 10 André; 15 Edgar, 18 Valter, 19 Johnny e 20 Pedro Fernando; 21 Pedro Leite e 22 Dario. Entraram, no decorrer da 2ª parte, 7 Sópas, aos 80 m, 11 Zé, aos 70, e, 13 Nuninho, aos 45m.
              LEGENDAS DA FOTOGRAFIAS:
              Henrique Meia-Noite: o treinador.
              Sequencialmente os primeiro, segundo e terceiro golos. O 4º não foi registado por falência técnica.